Quilombo

por Dennis de Oliveira

#Fórumcast, o podcast da Fórum
30 de maio de 2019, 06h00

Bolsonaro está fragilizado, mas ainda tem base

No Blog Quilombo, Dennis de Oliveira faz a seguinte reflexão: “O que pode mudar a correlação de forças será a capacidade da classe trabalhadora de reagir na greve geral do dia 14”

Foto: Reprodução

Os atos realizados no último domingo (26) foram menores que os do dia 15 de maio e também demonstraram um refluxo na base de apoio ao governo Bolsonaro. O que as várias pesquisas estão demonstrando se expressou na adesão às ruas. Em três cidades, houve uma certa adesão – São Paulo, Rio de Janeiro e Porto Alegre. Em outras, os atos foram fracos. Entretanto, considero precipitado dizer que Bolsonaro está acabado.

Este núcleo de extrema direita consolida uma certa identidade política, conforme atesta o blogueiro Leonardo Sakamoto a partir de pesquisas realizadas por um grupo de pesquisadores da USP (clique aqui para ler). Mais que identidade política, tem poder de mobilização. Alguns analistas mostram que o fato de Bolsonaro se isolar dentro dessa bolha demonstra fraqueza. Em parte, sim. Mas quero apresentar uma outra perspectiva de análise.

Existe uma agenda das classes dominantes: a reforma fiscal do Estado para adequar-se às exigências do capital rentista. E ela começa com a reforma da Previdência. A principio, pode-se argumentar que a reforma fiscal do Estado, da forma que está sendo proposta, traz contradições no seio da burguesia, uma vez que ela privilegia de forma desmesurada o capital rentista. Porém, a crise do capitalismo pode empurrar parte da burguesia não rentista para esta agenda. O economista Luiz Gonzaga Beluzzo tem demonstrado como uma parte significativa de grandes empresas industriais tem garantido um certo faturamento, mesmo em momentos de crise, com o giro de parte do seu capital na ciranda financeira. Algumas corporações chegam, segundo Beluzzo, até mesmo a especular com suas próprias ações na Bolsa.

A reforma da Previdência atende a três objetivos. Primeiro, sinaliza para a redução dos investimentos na área social e priorização no pagamento dos juros da dívida pública (de interesse do capital rentista). Segundo, abre um mercado importante para este mesmo capital ao impor o sistema de capitalização e também abrir espaço para a previdência privada, à medida que a previdência pública seria limitadíssima. Terceiro, aprofunda ainda mais a precarização dos contratos de trabalho (de interesse de toda a burguesia).

Pode-se argumentar que a retração do mercado consumidor interno que seria uma das consequências dessa reforma da Previdência (pois os aposentados também consomem) seria compensada com um aumento nas possibilidades de reprodução e ampliação do capital no setor rentista. Esta é a argumentação que tem possibilitado uma verdadeira unidade da burguesia a favor da reforma da Previdência.

As dificuldades do governo Bolsonaro estão em outra ordem de coisas. E não se trata de uma questão interna ao Brasil.

Nessa crise do capitalismo, as classes dominantes têm apresentado duas possibilidades de saída. A primeira é reconstruir os arranjos institucionais, abandonando de vez o modelo da democracia liberal e caminhando para sistemas autoritários. Este é o sentido do crescimento da extrema direita – conforme ficou demonstrado nas eleições dos deputados do Parlamento Europeu no último domingo. Diante das possíveis reações fortes ao aumento da concentração de renda e da miserabilidade e para garantir a reprodução do capital nestes termos, a proposta é construir Estados verdadeiramente policiais para conter tanto as vítimas dessa concentração (trabalhadores, pobres, imigrantes, negros, mulheres) como também os movimentos sociais que ousarem se levantar contra isso.

A segunda é tentar construir uma hegemonia política dentro dos parâmetros da democracia liberal, ainda que seja necessário lançar mão de expedientes não democráticos (como, por exemplo, a criminalização da esquerda por meio de denúncias de corrupção, fenômeno que está ocorrendo em várias partes do mundo). É essa a perspectiva da direita tradicional.

Aqui residem as contradições, no Brasil, entre Bolsonaro e Rodrigo Maia, por exemplo.

Nesse sentido, as manifestações convocadas pelo presidente Bolsonaro no domingo (26) não tiveram como objetivo só contrapor à da oposição realizada no dia 15 de maio. As palavras de ordem contra o Congresso, os “políticos” e por aí vai foram uma demonstração de força para a direita tradicional e para a burguesia. Isto é, mostrar o poder de mobilização social que daria sustentação a essa proposta de alteração nos arranjos institucionais para um regime ditatorial explícito.

Há que se comparar não apenas o poder de mobilização de Bolsonaro com a oposição, mas sim do presidente com a direita tradicional. Qual é o objetivo? Definir o caminho pelo qual se adaptará a economia nacional aos interesses do capital rentista. Por isso que, em determinado momento, houve uma “disputa” de protagonismos entre o Executivo e o Legislativo sobre a condução da reforma da Previdência.

E, a partir disso, temos as seguintes situações e contradições:

1 – O governo Bolsonaro enfrenta a resistência de algumas burocracias de Estado que, em uma mudança brusca como quer fazer, perdem poder e prestígio. Isso ocorre com a resistência de setores da elite do Judiciário ante ao pacote supostamente “anticrime” do ministro Sérgio Moro e também com a interferência nas universidades, gerando reações das elites acadêmicas. Esses setores podem ampliar a base da oposição ao seu governo.

2 – Outra ordem de enfrentamento do governo Bolsonaro é a classe política tradicional que não quer se ver alijada desse processo político (ainda que tenha convergência de agendas) e, por essa razão, tem resistências fortes ante a figura do ministro Sérgio Moro, que deu início ao processo de criminalização da política com a Operação Lava Jato;

3 – Diante disso, incrivelmente, o ministro Sérgio Moro acaba sendo o principal centro dessas contradições e, provavelmente, por isso que Bolsonaro acenou com a indicação dele para o STF, já antecipando a sua saída do governo e, também, abriu mão de brigar pela manutenção do Coaf na pasta do ex-juiz.

4 –O café da manhã com os presidentes dos três Poderes, na segunda feira (27), é uma tentativa de recomposição dessas forças para garantir a reforma da Previdência, que vem sendo pressionada de forma intensa pela burguesia;

5 – O poder de mobilização que tentou mostrar Bolsonaro é uma forma de se contrapor a uma certa desarticulação da centro direita. Em outras palavras, o discurso é que, derrotada a extrema direita, há riscos reais de volta dos setores progressistas ao poder (por isso, a manutenção do discurso antipetista como forma de geração de medo).

Lendo a obra 18 Brumario, de Karl Marx, é possível perceber algumas semelhanças dos fatos que levaram ao poder o que o pensador alemão chamou de “cérebro de toucinho” (Luís Bonaparte) e o Bolsonaro (não só pelas maluquices do presidente brasileiro). A desarticulação das frações da burguesia, o medo das forças progressistas, a mobilização dos sentimentos moralistas da pequena burguesia (que, segundo Marx, não tem um projeto de classe, mas só se unifica na junção de desejos individuais).

Assim, o que pode mudar essa conjuntura será a capacidade de a classe trabalhadora conseguir se contrapor e o teste será a greve geral do dia 14 de junho. Até lá, Bolsonaro fica e tem condições de recompor uma base, ainda que frágil, no Congresso. O que pode atrapalhar é o seu próprio (des)temperamento.

*Este artigo não reflete, necessariamente, a opinião da Revista Fórum.

Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum