Notas Internacionais

por Ana Prestes

27 de janeiro de 2020, 12h15

Bolsonaro volta a falar em transferência da embaixada em Israel para Jerusalém

O presidente voltou a falar no assunto durante visita à Índia

Eduardo Bolsonaro, com Filipe Barros e o pai, Jair, durante visita à Índia (Foto: Alan Santos/PR)

– Queridas e queridos que acompanham essas Notas Internacionais, o mundo não para, mas eu precisei parar para descansar. Hoje retomo os registros que semanalmente compartilho com vocês. Que em 2020 estejamos mais atentos aos movimentos internacionais e mais dispostos para lutar por justiça nesse planeta.

– Presidente Bolsonaro usou sua visita à Índia para voltar a proclamar a transferência da embaixada brasileira em Israel de Tel Aviv para Jerusalém. Em entrevista ao canal de televisão DD Índia ontem (26), o presidente disse “Eu acho que no próximo ano deveremos estar na posição para possivelmente transferir nossa embaixada para Jerusalém”.

– A visita de Bolsonaro à Índia no final de semana e seu encontro com o primeiro-ministro indiano Narendara Modi terminou com a assinatura de 15 acordos bilaterais. Ainda nos marcos do encontro, foi aberto hoje (27) o Primeiro Diálogo da Indústria de Defesa Brasil-Índia. A cooperação na área da defesa é um dos potenciais do estreitamento das relações do Brasil com o país asiático. Segundo o secretário de produtos de defesa do Ministério da Defesa, Marcos Degaut, em entrevista à FSP, “a base industrial de defesa do Brasil quer ter acesso ao gigantesco mercado indiano e, por conseguinte, ao mercado asiático, além de formar parcerias estratégicas para desenvolvimento tecnológico, captar investimentos e desenvolver instrumentos de financiamento à exportação”. O Brasil exportou em produtos de defesa para a Índia em 2019 apenas 427 mil dólares, sendo que a Índia é o segundo maior importador desses produtos no mundo.

– A Palestina pode sair do Acordo de Oslo, que regulamenta hoje suas relações com Israel. A medida será tomada, segundo as autoridades palestinas, caso Trump anuncie seu “Plano de Paz” para o Oriente Médio. Há uma expectativa de que o governo dos EUA apresente detalhes do plano nos próximos dias. A construção do plano já dura dois anos, grande parte da demora para anuncia-lo tem a ver com o fato de que Netanyahu falhou em formar governo em Israel por duas vezes em 2019. A situação continua instável em Israel e para o anúncio do plano, Trump convidou para a Casa Branca os dois líderes que podem formar governo, o próprio Netanyahu e seu rival Benny Gantz. Desde o princípio, a Autoridade Palestina se colocou contra o plano, especialmente após Trump ter reconhecido Jerusalém como capital de Israel e ter deslocado para lá a embaixada dos EUA. Além disso, os EUA abandonaram seu apoio à solução de dois estados e deixaram de considerar os assentamentos israelenses em territórios ocupados como “inconsistentes com o direito internacional”.

– Já são 81 as mortes registradas por coronavírus na China. O país também anunciou nesta segunda (27) que são 2761 os casos registrados, sendo 2744 na China e 17 nos territórios de Hong Kong, Macau e Taiwan. O mundo observa atentamente a grande mobilização que toda a China está promovendo na tentativa de barrar a difusão do vírus. Grandes eventos foram cancelados, transportes limitados, empresas com trabalho suspenso. Destaca-se a rapidez na construção de novas instalações hospitalares para atender os infectados na região de Wuhan, na província de Hubei onde a ação do vírus em humanos começou a ser registrada.

– O Fujimorismo pode ser o maior derrotado das eleições parlamentares no Peru no dia de ontem (26). Com 95% das urnas apuradas, o partido Fuerza Popular de Keiko Fujimori obteve 7,4% dos votos e pode fazer 20 parlamentares, quando antes tinha 73. O Peru tem uma cláusula de barreira de 5%, portanto várias forças ficaram de fora do parlamento. Mais de 25 milhões de peruanos estavam aptos a votar nestas eleições convocadas pelo presidente Martin Vizcarra após a dissolução do Congresso em setembro passado. Ao todo são 130 as cadeiras disputadas. O presidente Vizcarra não está afiliado a nenhum partido atualmente. O partido de direita Acción Popular por enquanto lidera com 11,8% dos votos válidos, seguido por Alianza para el Progreso, com 8,8%, Partido Morado, com 8,1%, Podemos Peru (7,4%), Fuerza Popular (7,1%), Somos Perú (7%), Frepap (7%), Unión por el Perú (6,2%), Frente Amplio (6,2%) e Juntos por el Perú (5%).

– Na Bolívia, uma pesquisa de opinião divulgada pelo jornal Pagina Siete dá 26% das intenções de voto para o candidato presidencial do MAS, o ex-ministro da economia, Luiz Arce. Na sequencia estão Carlos Mesa com 17% e Fernando Camacho também com 17%. A autoproclamada presidente Jeanine Añez está com 12%. O anúncio de Añez de que seria candidata, junto com um pedido de renúncia coletiva dos atuais ministros e ministras de seu governo autoproclamado gerou revolta no país que vive meses de profunda instabilidadede desde o golpe que depôs o presidente Evo Morales da presidência do país em novembro passado.

– O Ministério de Relações Exteriores de Cuba emitiu uma nota no sábado (25) relativa ao anuncio do governo autoproclamado da Bolívia de rompimento das relações diplomáticas com a ilha. Na nota, o governo cubano “rechaça categoricamente as infundadas acusações do governo de fato boliviano” e acusa que “desde sua irrupção violenta no poder em 12 de novembro de 2019, membros do Governo de fato desse país desenvolveram ações sistemáticas para deteriorar e entorpecer as relações bilaterais com Cuba”. Na sequencia a nota detalha todos os episódios de hostilidade e agressão sofridos por diplomatas e profissionais médicos cubanos que se encontravam na Bolívia quando do golpe a Evo.

– O autoproclamado Guaidó da Venezuela foi recebido por autoridades do PSOE na Espanha, mas não pelo premiê Pedro Shanchez. Pedro Gómez, secretário de relações internacionais do PSOE o recebeu junto com Pablo Casado do partido espanhol de direita PP. O PSOE, que hoje governa a Espanha em aliança com o Podemos, tenta fazer um malabarismo sem tamanho para não ser associado ao governo de Maduro da Venezuela e para dizer que “apoia eleições livres na Venezuela” apertando a mão de Guaidó.

– No Iraque, cinco mísseis foram disparados contra a Embaixada dos EUA no país neste domingo (26). Segundo a AFP, três dos mísseis atingiram os edifícios da sede na capital Bagdad. Na sexta-feira (24) centenas de milhares de pessoas foram às ruas de Bagdad para defender a expulsão das tropas americanas do país. As palavras de ordem mais ouvidas eram “No, no, America”, “Death to America” e “Death to Israel”.

– Na França, seguem grandes as mobilizações contra o Projeto de Reforma da Previdência de Macron. As manifestações de sexta (24) foram ainda maiores que as de 16 de janeiro. Segundo pesquisas de opinião quase 2/3 dos franceses querem a retirada do projeto.

– O Chile completa essa semana 100 dias de mobilização popular. Hoje (27) e amanhã haverá manifestações estudantis durante a realização das provas de seleção universitária.


Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum