Raimundo Bonfim

06 de março de 2019, 15h39

Carnaval e luta: não vamos sair das ruas

“Embalado pelo carnaval, é hora de sairmos às ruas para impedir a aprovação do fim da aposentadoria e o desmonte da previdência pública”, escreve Raimundo Bonfim em novo texto

Foto: Lula Marques/Agência PT

Segundo o dito popular, no Brasil só começa o ano após o carnaval. Um mito, pois a grande massa de trabalhadores começa a pegar no batente é logo no dia 2 de janeiro. Mas deixemos de lado essa polêmica sobre quando se inicia de fato o ano em nosso país. O fato concreto é que as manifestações políticas começaram no carnaval.

Nesse momento que escrevo esse texto, o carnaval continuava em pleno andamento, mas já podemos afirmar que a crítica e protesto político foi a marca do carnaval de 2019. Por todo o país as festas carnavalescas tiveram forte viés político, tendo como principais alvos as figuras do presidente Jair Bolsonaro e seus filhos.

Por outro lado, o grito por Lula Livre foi um ponto alto das manifestações espontâneas dos foliões. Para além das manifestações nos blocos e trios elétricos, é importante ressaltar os desfiles recheados de críticas políticas e sociais das escolas de samba do Rio de Janeiro, Estação Primeira da Mangueira e Paraíso do Tuiuti.

A Mangueira trouxe para a Marquês da Sapucaí a história do massacre sofrido, mas também de resistência, por índios, negros e pobres, com o enredo heróis da resistência.  A agremiação verde e rosa ainda fez uma justa homenagem a Marielle Franco, ex-vereadora do RJ, assassinada em 14 de março de 2018.

A Tuiuti, com o enredo “O Salvador da Pátria”, levou para a Sapucaí a saga de um bode, chamado de Ioiô, ocorrida no Ceará nos anos 1920. O personagem fugiu da seca do interior do estado e foi para a capital Fortaleza. Ficou famoso, se elegeu vereador e sofreu um golpe das elites. A escola faz um paralelo do golpe sofrido pelo bode, à época, com o atual momento político do país, mostrando que toda vez que uma figura do povo chega ao governo, a elite derruba, como aconteceu com Dilma e a prisão do Lula. A escola fez duras críticas a Bolsonaro e seus seguidores.

Embalado pelo carnaval, é hora de sairmos às ruas para impedir a aprovação do fim da aposentadoria e o desmonte da previdência pública.

O abre-alas foi no carnaval, mas daremos continuidade. No dia 8 de março – Dia Internacional das Mulheres – estão sendo organizadas mobilizações protagonizadas pelas mulheres – que levarão para as ruas as seguintes bandeiras de lutas: Contra Bolsonaro. Vivas por Marielle. Em defesa da previdência, democracia e direitos.

Para defender o direito à aposentadoria dos trabalhadores (as) que deram sua contribuição para o desenvolvimento do nosso país, as Frentes Brasil Popular, Povo Sem Medo e as Centrais Sindicais estão organizando o Dia Nacional de Mobilizações em defesa da aposentadoria e da previdência pública, que acontecerá em 22 de março. O propósito é organizar atos nas principais capitais do país. Em São Paulo, a manifestação será no vão livre do Masp, na Avenida Paulista.

A dura e árdua jornada de trabalho que assola a classe trabalhadora brasileira, muitas vezes, é enfrentada com o alento de que, no fim dessa trajetória, a pessoa alcançará a tão sonhada aposentadoria.

Este direito agora sofre sério risco de ser eliminado pelo governo Bolsonaro.

A manifestação será a primeira de uma jornada de lutas para impedir o fim da aposentadoria e o desmonte da previdência pública. O dia 22 de março será muito importante para a luta da classe trabalhadora em defesa da aposentadoria. Será decisivo no acúmulo de força, com vista à preparação de uma greve geral – que inevitavelmente temos que fazer, se quisermos derrotar os grupos econômicos que pretendem se apropriar da previdência pública.

Nossa sucursal em Brasília já está em ação. A Fórum é o primeiro veículo a contratar jornalistas a partir de financiamento coletivo. E para continuar o trabalho precisamos do seu apoio. Saiba mais.


Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum