Cartas do Pai: Contas da democracia

Em mais uma crônica, Ivan Cosenza de Souza diz: “Somos livres para comprar carne, mas não temos dinheiro pra comprar”

Rio de Janeiro, 1 de agosto de 2021.

Pai,

Vi no perfil de um ex-ator, apoiador do presidente, falando sobre Cuba.

Segundo ele, aqui os jovens têm tudo e lá não tem nada!

E que aqui, nós temos liberdade e lá não.

Tudo isso por causa de algumas manifestações que tiveram lá.
Mas o detalhe é que estão tendo manifestações aqui também, e disso ele não fala nada.

Aqui, onde temos “liberdade”, a polícia jogou bombas, agrediu uma vereadora e cegou um homem.

Aqui, temos liberdade, aqui temos tudo, diz ele.

Publicidade

Lá, a carne é racionada, mas ninguém passa fome.

Aqui, temos a liberdade de roer osso.

Publicidade

Qual liberdade nós temos?

Qual opção de escolha?

Escolher passar fome ou roer osso?

Trabalhar no sinal vendendo bala ou limpando vidro?

Bela liberdade!

Essa conta realmente não fecha, que nem as contas do gênio do presidente, no qual (-4 +5 = 9), e com esta conta diz que estamos crescendo.

É esta besta que temos na presidência!

Somos livres para comprar carne, mas não temos dinheiro pra comprar.

Somos livres pra viajar e comprar carros modernos, mas não temos dinheiro nem pra passagem de ônibus.

Relembrando aquele “jornalista” falastrão, em Cuba eles só têm saúde, educação e segurança. Tudo o que a gente queria aqui.

Temos uma falsa liberdade, isso sim.

Um beijo do seu filho,

Ivan

*Este artigo não reflete, necessariamente, a opinião da Fórum.

Avatar de Ivan Cosenza de Souza

Ivan Cosenza de Souza

Cronista, produtor cultural, curador da obra de Henfil, seu pai, e presidente do Instituto Henfil. Escreve as Cartas do Pai para a Revista Fórum.
Henfil veste Pela Esquerda. Camisa da Ursal à venda no link abaixo:

Você pode estar junto nesta luta

Fórum é um dos meios de comunicação mais importantes da história da mídia alternativa brasileira e latino-americana. Fazemos jornalismo há 20 anos com compromisso social. Nascemos no Fórum Social Mundial de 2001. Somos parte da resistência contra o neoliberalismo. Você pode fazer parte desta história apoiando nosso jornalismo.

APOIAR