Cartas do Pai: Militares estão nus

Nas Cartas do Pai de hoje, Ivan Cosenza fala do vexame em nível mundial com as latas velhas das Forças Armadas

Rio de Janeiro, 12 de Agosto de 2021.

Pai,
O presidente não se cansa de fazer as Forças Armadas passarem vergonha.
Impressionante!
Resolveu fazer uma “demonstração de força” para tentar intimidar o Congresso, para votar pelo voto impresso (fraudável).
Antes das urnas eletrônicas já tinham descobertos votos fraudados a favor dele.
Só que o tiro saiu pela culatra e o desfile virou piada não só aqui no Brasil, mas no mundo inteiro.
Parecia a Carreta Furacão!
O palhaço eu vi lá no alto da rampa do Planalto, só não consegui localizar o Fofão, o Homem Aranha e o Mickey!
Ele já tinha desafiado o exército estadunidense pra resolver na pólvora e com isso descobriram que o Brasil só tem munição pra meia hora de guerra.
Além de colocar no Ministério da Saúde um general que não sabe nem onde fica a linha do Equador.
É vergonha em cima de vergonha.
A votação que tinha sido desmarcada no dia anterior, logo depois do desfile acabou sendo remarcada de novo e o presidente derrotado.
Não vamos voltar ao tempo do voto impresso, como era na época em que os tanques do desfile ainda serviam pra alguma coisa.
Enquanto isso o presidente vai usando os militares como brinquedinhos.
Expondo-os ao ridículo em troca de colocar alguns deles em cargos públicos, acumulando cargos e salários, fazendo ganharem salários altíssimos e acima do teto.
Os militares estão nus, pai!
O próximo presidente vai ter que trabalhar muito para recuperar a imagem das Forças Armadas.
um beijo do seu filho,
Ivan

**Este artigo não reflete, necessariamente, a opinião da Revista Fórum.

Avatar de Ivan Cosenza de Souza

Ivan Cosenza de Souza

Cronista, produtor cultural, curador da obra de Henfil, seu pai, e presidente do Instituto Henfil. Escreve as Cartas do Pai para a Revista Fórum.
Henfil veste Pela Esquerda. Camisa da Ursal à venda no link abaixo:

Você pode estar junto nesta luta

Fórum é um dos meios de comunicação mais importantes da história da mídia alternativa brasileira e latino-americana. Fazemos jornalismo há 20 anos com compromisso social. Nascemos no Fórum Social Mundial de 2001. Somos parte da resistência contra o neoliberalismo. Você pode fazer parte desta história apoiando nosso jornalismo.

APOIAR