Cartas do Pai: O Ladrão e o Mentiroso

Nas Cartas do Pai, Ivan Cosenza só reafirma o que todo mundo já sabia e que agora foi confirmado pela Justiça: O juiz era ladrão mesmo!

Rio de Janeiro, 24 de Março de 2021.

Pai,
Com alguns anos de atraso, o STF reconheceu o que todo mundo já sabia!
Agora é oficial…
Juiz Ladrão!
Moro foi considerado oficialmente suspeito pelo julgamento (inquisição, diria eu) do seu amigo Lula!
Agora, segundo os jornais, todas as “provas” deverão ser enviadas para Brasília.
Já imaginou quando chegarem um monte de caixas vazias lá.
Fico lembrando de uns golpes da internet, nos quais as pessoas compram alguma coisa de um site suspeito (que nem o Moro) e recebem caixas vazias, ou com tijolos dentro.
Pois é!
– Por favor, podem me enviar as provas?
– Claro! Estaremos despachando hoje mesmo!
– Desculpe, as caixas vieram vazias! Onde estão as provas que a Lava Jato tinha?
– São essas aí mesmo, senhor!
– Mas não tem nada aqui!
– Ué? Tem certeza?
– Tenho sim! Nenhuma prova!
– E as convicções? Não estão nas caixas?
– Também não!
Isso é que dá encomendar provas de um juiz suspeito!
Depois disso tudo, o genocida em exercício resolveu fazer um looongo discurso…
Foram mais de 3 minutos!
Falou que não disse o que tinha dito e também disse que não fez o que tinha feito.
Disse que nunca foi contra a vacina…
Mentiu tanto que lembrou aquele personagem do Chico Anysio, o Pantaleão.
Só faltou encerrar perguntando:
– “É mentira, Terta?”
Um beijo do seu filho,
Ivan

**Este artigo não reflete, necessariamente, a opinião da Revista Fórum.

Avatar de Ivan Cosenza de Souza

Ivan Cosenza de Souza

Cronista, produtor cultural, curador da obra de Henfil, seu pai, e presidente do Instituto Henfil. Escreve as Cartas do Pai para a Revista Fórum.
Henfil veste Pela Esquerda. Camisa da Ursal à venda no link abaixo:

Você pode estar junto nesta luta

Fórum é um dos meios de comunicação mais importantes da história da mídia alternativa brasileira e latino-americana. Fazemos jornalismo há 20 anos com compromisso social. Nascemos no Fórum Social Mundial de 2001. Somos parte da resistência contra o neoliberalismo. Você pode fazer parte desta história apoiando nosso jornalismo.

APOIAR