Cartas do Pai: O Presidente voltou

Nas Cartas do Pai, Ivan Cosenza fala da pequena alegria de ver a volta de Lula em meio a tanta tragédia que assola o Brasil

Rio de Janeiro, 10 de Março de 2021.

Pai,

Seu amigo voltou!

O STF anulou o processo contra a Lula depois de quase 5 anos de injustiças.

Antes tarde do que nunca, né, pai?

Com esta reparação ele volta a ser elegível e vai poder disputar as próximas eleições pra presidente.

Mas parece que já é presidente!

Fez um discurso muito bonito e criticou todas as trapalhadas do atual governo, e conseguiu fazer em um dia o que todo mundo está tentando fazer desde o ínício da pandemia.

Mandou o governo comprar vacina com urgência e no dia seguinte eles já apareceram tomando novas medidas para compra de vacinas.

Mandou todo mundo usar máscara!

Fez todos do governo usar máscaras na cerimônia… Você precisava ver.

Dá impressão que ele já está fazendo a transição para assumir a Presidência.

Falou do auxílio emergencial, que não podia ser de R$ 250 como o atual presidente quer.

Estamos aguardando pra ver se vão aumentar o valor, como ele mandou!

Por enquanto estão obedecendo direitinho.

O medo é grande por lá!

O slogan da Regina Duarte está de volta.

Os inimigos do povo têm medo do Lula!

Os inimigos da democracia têm medo do Lula!

O povo não tem medo…

E por que a gente teria medo de ser feliz de novo?

Você sempre dizia:

“Eu só quero é ser feliz!”

É só o que a gente quer, né!?

Um beijo do seu filho,

Ivan

*Este artigo não reflete, necessariamente, a opinião da Revista Fórum.

Avatar de Ivan Cosenza de Souza

Ivan Cosenza de Souza

Cronista, produtor cultural, curador da obra de Henfil, seu pai, e presidente do Instituto Henfil. Escreve as Cartas do Pai para a Revista Fórum.
Henfil veste Pela Esquerda. Camisa da Ursal à venda no link abaixo:

Você pode estar junto nesta luta

Fórum é um dos meios de comunicação mais importantes da história da mídia alternativa brasileira e latino-americana. Fazemos jornalismo há 20 anos com compromisso social. Nascemos no Fórum Social Mundial de 2001. Somos parte da resistência contra o neoliberalismo. Você pode fazer parte desta história apoiando nosso jornalismo.

APOIAR