Conrado Pouza sai do ócio e tira nossa canção do tédio em álbum de estreia

“Eu vou fazer qualquer negócio pra sair do Ócio” é um belo álbum de estreia que traz, além de inéditas, canções de Tom Zé, Zé Miguel Wisnik e Carlinhos Brown

Uma das boas surpresas das plataformas digitais das últimas semanas é o álbum “Eu vou fazer qualquer negócio pra sair do Ócio”, do cantor e compositor santista Conrado Pouza. Com capa elegante e produção impecável de Bruno De La Rosa, o disco traz ótimas canções. E todas muito bem interpretadas pelo autor.

Conrado é bastante conhecido das noites da Baixada Santista, onde se apresenta regularmente. Com este álbum, ele faz sua transição para o disco de maneira correta, sem estardalhaço e, ao mesmo tempo, se distanciando do repertório do dia a dia de músico da noite.

O disco traz canções de vários autores, alguns deles amigos próximos do autor e outros mais conhecidos do público. Entre essas está a linda “Menina amanhã de manhã, de Perna Froes e Tom Zé, lançada na década de 70 como uma espécie de hino de esperança contra a ditadura militar.

A versão de Pouza, além de ser um achado para os dias de hoje, ficou com jeito de acalanto, com interpretação delicada e violões dedilhados conduzindo a melodia.

Outra canção conhecida do álbum que merece destaque é a ótima adaptação de Zé Miguel Wisnik para o poema “Mortal Loucura”, de Gregório de Matos, já gravada por Maria Bethânia. Nesta versão, ela é interpretada em parceria com o produtor do álbum Bruno De La Rosa.

Os dois optaram por uma versão um tanto menos dramática e ritmada, com efeitos de violões, percussão e guitarra que nos remetem à canção nordestina da década de 70. Outra das canções conhecidas que ganhou em suavidade e delicadeza é “Magano”, de Carlinhos Brown.

Além delas, Conrado resgatou também “Beira Mar Novo”, canção tradicional do Vale do Jequitinhonha, gravada por vários cantores, entre eles Dércio Marques e Milton Nascimento. Mais uma vez, a opção é por destacar a beleza da canção para além da intenção da folia, ao contrário de outras interpretações.

O álbum “Eu vou fazer qualquer negócio pra sair do Ócio”, no entanto, se destaca também pelas novidades que traz no repertório. A que mais chama a atenção logo de saída é a que indica o nome do disco. “Ócio”, samba no estilo descritivo de Bruno De La Rosa e Tata Alves nos remete à “Construção”, de Chico Buarque e “João do Amor Divino”, de Gonzaguinha.

Publicidade

Conrado usa e abusa das ironias da canção em uma bela interpretação. A gravação se destaca por efeitos sonoros que ainda contam com a voz de Vinícius de Moraes declamando seu poema “Poética”, de 1954.

Outra joia do disco que vale destaque é a linda valsa “Lea”, de Gabi Buarque, cantada em dueto com Jaque da Silva. Bruno de La Rosa ainda contribui com a bela toada “Entre Rios”.

Publicidade

Há muito mais no álbum de estreia de Conrado Pouza e vale descobrir uma por uma, ir, voltar e repetir. “Eu vou fazer qualquer negócio pra sair do Ócio” mostra um intérprete inovador e pronto pra encarar o mundo. Que assim seja.

Avatar de Julinho Bittencourt

Julinho Bittencourt

Jornalista, editor de Cultura da Fórum, cantor, compositor e violeiro com vários discos gravados, torcedor do Peixe, autor de peças e trilhas de teatro, ateu e devoto de São Gonçalo - o santo violeiro.

Você pode estar junto nesta luta

Fórum é um dos meios de comunicação mais importantes da história da mídia alternativa brasileira e latino-americana. Fazemos jornalismo há 20 anos com compromisso social. Nascemos no Fórum Social Mundial de 2001. Somos parte da resistência contra o neoliberalismo. Você pode fazer parte desta história apoiando nosso jornalismo.

APOIAR