Raimundo Bonfim

20 de fevereiro de 2019, 00h42

Momento político exige unidade dos movimentos sociais

Raimundo Bonfim diz: “Sem organização de base sólida, sem formação e politização do povo, sem lutas de massas não conseguiremos barrar os retrocessos nos próximos meses e nem acumular forças para conquistar avanços sociais a médio prazo”

Foto: Rovena Rosa/Agência Brasil

O capitalismo, em escala mundial, atravessa uma das maiores crises de sua história. Há um aprofundamento de suas contradições internas. O sistema também age em escala planetária para manter ou aumentar as taxas de lucro. Para tanto, derruba governos progressistas com as mais variadas formas de golpes, apropria-se de recursos naturais, do patrimônio público, reduz o orçamento das políticas sociais e ataca a democracia e a soberania dos países, como o que vem acontecendo na América Latina. Nesse momento, os EUA se preparam para invadir a Venezuela – que bravamente resiste ao golpe.

No Brasil continua um intenso processo de perseguição política ao ex-presidente Lula (com mais uma condenação sem crime e sem prova), aos movimentos sociais, à esquerda, tendo o PT como alvo principal a ser aniquilado.

Não há dúvida de que o país está sob a égide das forças do capital, subalterno aos interesses dos EUA. Trata-se de um governo neoliberal radical, autoritário e com forte viés fascista.

O Estado, compreendendo todas as suas instituições, está totalmente controlado pelas forças do capital internacional e nacional. O que pretendem essas forças é impor ao povo brasileiro medidas para manter ou aumentar a taxa de lucro do capital, tais como: destruir a Previdência pública e permitir que os fundos de pensão privados e ligados aos bancos explorem as trabalhadoras e os trabalhadores; radicalizar o processo de privatização de empresas públicas; promover a apropriação de recursos naturais como o pré-sal, minério, água, energia, terra; congelar por vinte anos os investimentos nas áreas de Educação, Saúde e Assistência Social. Medidas como essas levarão, inexoravelmente, ao aumento da desindustrialização, à dependência externa, à financeirização, à precarização do trabalho, à desigualdade social e à pobreza.

No campo das políticas sociais e da participação popular, o governo tentará acabar ou enfraquecer políticas de geração de emprego, educação, habitação, saúde, saneamento, programas destinados às mulheres, à juventude, às populações negra e indígenas, comunidades tradicionais, quilombolas, LGBTI, reduzindo drasticamente o orçamento e eliminando os instrumentos de participação institucional, como os conselhos e as conferências.

Para enfrentarmos esse momento de tentativa de um brutal avanço do capital sobre as trabalhadoras e os trabalhadores, é fundamental traçarmos nossas ações e lutas de resistência, tanto do ponto de vista organizativo como político, a partir da unidade das esquerdas, especialmente dos movimentos sociais.

Na questão organizativa precisamos jogar todo peso no fortalecimento da organização de base, reforçando a consolidação das organizações existentes, bem como criando novas, que combinem suas experiências dos movimentos sociais, chamados de tradicionais, com iniciativas mais dinâmicas e horizontais que têm surgido mais recentemente nas periferias das cidades, especialmente, no campo da cultura, juventude e igualdade racial. É preciso um equilíbrio entre essas duas formas de organização.

Para além do fortalecimento da organização de base, é inevitável e urgente voltar a investir na formação política das massas, além de desenvolver novas metodologias do trabalho de base e educação popular, com o objetivo de elevar o patamar de conscientização e politização do povo e envolvê-lo na luta política e social.

Os processos de organização de base, formação e educação popular, isolados das articulações mais gerais, terão enorme dificuldade de mobilização e resistência ao gigantesco retrocesso político, econômico, social, cultural e ambiental. É indispensável uma unidade dos movimentos sociais que atuam em caráter geral. Por isso, estamos atuando e apostando na unidade das frentes Brasil Popular e Povo Sem Medo – espaços com maior representatividade e capilaridade que os movimentos sociais construíram no país nos últimos anos, no bojo da resistência contra o golpe que derrubou a presidenta Dilma, na luta pela democracia e contra a retirada de direito. Vale ressaltar que essas frentes estiveram unidas no segundo turno das eleições em apoio à candidatura de Fernando Haddad à Presidência da República.

Nenhum partido político, nenhuma frente, nenhum movimento ou entidade, só, consegue barrar o tsunami que as forças do capital, por intermédio do governo Bolsonaro, preparam para cima das trabalhadoras e dos trabalhadores.

Sem organização de base sólida, sem formação e politização do povo, sem lutas de massas não conseguiremos barrar os retrocessos nos próximos meses e nem acumular forças para conquistar avanços sociais a médio prazo.

O momento exige unidade dos movimentos sociais para, nesse primeiro semestre de 2019, dar conta das tarefas mais importantes dos últimos anos, que são fazer um amplo debate de esclarecimento e envolver milhões de pessoas nas mobilizações para libertar Lula do cárcere em Curitiba, além de impedir o desmonte da Previdência pública, pois se for aprovado será o maior ataque ao povo brasileiro da história da Nova República.

PS: Gustavo Bebianno foi a primeira laranja a cair. Terá efeito dominó até cair todas do laranjal?

Nossa sucursal em Brasília já está em ação. A Fórum é o primeiro veículo a contratar jornalistas a partir de financiamento coletivo. E para continuar o trabalho precisamos do seu apoio. Saiba mais.


Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum