O descontrole do governo Bolsonaro e o grito de socorro do Amapá

Enquanto os olhos do Brasil e do mundo se voltam para as eleições estadunidenses, quase 800 mil brasileiros no Amapá sofrem desabastecimento. Num estado com 4 hidrelétricas: Cachoeira Caldeirão, Santo Antônio do Jari, Ferreira Gomes Energia e Coaracy Nunes, quatorze, dos desesseis municípios do Amapá estão sem energia elétrica desde a última terça-feira (03/11). O […]

Enquanto os olhos do Brasil e do mundo se voltam para as eleições estadunidenses, quase 800 mil brasileiros no Amapá sofrem desabastecimento. Num estado com 4 hidrelétricas: Cachoeira Caldeirão, Santo Antônio do Jari, Ferreira Gomes Energia e Coaracy Nunes, quatorze, dos desesseis municípios do Amapá estão sem energia elétrica desde a última terça-feira (03/11). O apagão, que já dura 96 horas, foi causado por um incêndio em uma subestação de Macapá, capital do estado. O abastecimento foi desligado nas linhas de transmissão Laranja/Macapá e nas usinas hidrelétricas Coaracy Nunes e Ferreira Gomes.

Enquanto Lula levou o século XX para as áreas mais remotas do país com o Luz para todos, o governo Bolsonaro escurece, literalmente o Brasil. Ontem (05/11), diante do caos que vive o Amapá, o Ministério de Minas e Energia afirmou que pode demorar pelo menos 15 dias a retomada completa do fornecimento de energia elétrica no estado e anunciou um plano de emergência que até o momento não surtiu qualquer resultado.

No twitter a tag #SOSAmapá denuncia o descaso e abandono da população no norte do país:

Estado está incomunicável e decrata estado de emergência

Ontem 05/11), a prefeitura de Macapá decretou estado de emergência e, hoje, foi a vez do governo do estado.

Além da falta de energia, há falta de água encanada e a população encontra dificuldade para comprar água mineral. Há cotas para a compra de gelo. A a internet está inacessível na maior parte do estado. O desabastecimento já se iniciou, pois os alimentos se estragam nas geladeiras sem refrigeração e além dos prejuízos para as famílias, num período de depressão economica e altas taxas de desemprego, há prejuízo também para o comércio, especialmente supermercados, padarias, restaurantes e outros estabelecimentos do setor. Cartões e caixas eletrônicos não funcionam. Os postos de gasolina sem energiam não funcionam e os poucos que ainda estão em operação têm filhas imensas. Moradores de Macapá lotam shopping atrás de energia para carregar o celular. O estado ainda mais isolado está com sua população quase incomunicável.

A CUT-Pará no estado vizinho apela que o país saiba o que está ocorrendo no Amapá presta solidariedade e repudia o descaso do governo federal. Convoca a classe trabalhadora a realizar ações solidárias de abastecimento e serviços essenciais. O estado vive um crescimento de caso de Covid-19, as cirurgias foram adiadas e há risco de a falta de energia nos hospitais provocar ainda mais danos.

O caos que vive o Amapá de desabastecimento, isolamento e silêncio na pauta nacional se resumem nos versos do grupo Mosaico de Ravena: “Região Norte/Ferida aberta pelo progresso/Sugada pelos sulistas/E amputada pela consciência nacional”

Leia também:

Haddad cobra Bolsonaro sobre apagão no Amapá: “Esquece o Flávio e Trump. Trabalhe um dia”

Avatar de Sindicato Popular

Sindicato Popular

O blog é uma parceria da Fórum com o Sindipetro-NF (Sindicato dos Petroleiros do Norte Fluminense). Traz artigos e análises de temas de interesse dos trabalhadores.