Valerio Arcary

20 de Maio de 2019, 20h10

O perigo bonapartista continua presente

Valerio Arcary: “A crise do capitalismo brasileiro é grave. Ela é econômica e social. Os primeiros quatro meses e meio de governo Bolsonaro indicam que ela tende a transbordar em crise política de governo”

Mais uma vez: “quem não sabe contra quem luta não pode vencer”. A convocação de manifestações da extrema direita para o domingo dia 26 de maio confirma que a ala bolsonarista é neofascista. Devem ser levados a sério. Mais uma vez: não podem ser subestimados. A iniciativa da marcha é, provocativamente, bonapartista.

Tudo indica que é uma iniciativa precipitada, desastrosa, atrapalhada. Mais um grave erro de Bolsonaro. Por várias razões. Mas estamos diante de um governo muito perigoso. O perigo de um inverno siberiano continua presente.

A publicação da nota em que Bolsonaro apoia a denúncia de que “o Brasil é ingovernável” não deve ser interpretada como uma advertência de possível renúncia. Não sinaliza recuo, mas ofensiva. Anuncia disposição de reagir, de disputar, de avançar.

A questão central é que a corrosão da ala bolsonarista tem sido muito acelerada. Mas são audaciosos, arrogantes, violentos e, ao se descobrirem ameaçados, preparam um contra-ataque. Ameaçados, em primeiríssimo lugar, pela força social e política de impacto das mobilizações do passado 15M em defesa da educação pública. A esquerda recuperou, claramente, a hegemonia nas ruas. Os neofascistas decidiram medir forças.

Mas, ameaçados, também, pela articulação dos partidos do Centrão que forçaram a convocação de Weintraub para demonstrar força, e são indispensáveis para o encaminhamento da Reforma da Previdência e do Pacote Moro, além da votação das Medidas Provisórias que têm prazo de validade. Ameaçados pela investigação do Ministério Público do Rio de Janeiro que cerca a vida financeira de Flávio Bolsonaro e seus funcionários da Assembleia Legislativa. Ameaçados, mas não encurralados. Precisamos manter o sentido das proporções.

É, por enquanto, impossível aferir, sem margens de erro muito alta, qual será o desfecho das convocações do dia 26/05. Parece improvável que sejam manifestações poderosas. Ao contrário, se considerarmos a perda de coesão dentro da extrema direita, as divisões dentro do PSL, a defecção do MBL e outros, tudo sugere que não terão a potência dos atos de 2015/16. Devem ser muito menores do que o 15M. Mas prognósticos são, somente, cálculos.

As forças de pressão que se acumulam são de tipo e intensidade variados. Em primeiro lugar, nos remetem às mudanças nas relações políticas de força.

O primeiro elemento é o desgaste de Bolsonaro dentro do governo. A disputa entre a ala bolsonarista e militar foi séria. As outras duas alas, representadas por Moro e Paulo Guedes, não se posicionaram, publicamente. Mas, dificilmente, se alinharam com os olavistas, portanto, Bolsonaro ficou mais isolado, enfraquecido. O segundo foi o desgaste do governo diante do Congresso e do STJ. Saiu enfraquecido. O terceiro foi o desgaste do governo diante da burguesia e da classe média. Saiu enfraquecido. De novo, enfraquecidos, não derrotados. Precisamos preservar o sentido das proporções.

Mas mudou, também, a relação social de forças, e se abriu uma nova conjuntura. O 15M foi o início de uma resistência de massas. Pode se transformar em uma onda na preparação do #30M e, mais importante, no desafio do #14J. Mas não mudou ainda a situação. São dois níveis de análise distintos, em graus de abstração diferentes. Não é incomum que haja dissonâncias. A mesma situação atravessa conjunturas variadas. O tempo rápido das conjunturas não deve ser confundido com o tempo mais longo das situações. Sem uma vitória não é possível uma inflexão na relação social de forças. A ofensiva ainda está nas mãos da classe dominante. A força da classe dominante não equivale à força do governo. É muito maior. E a burguesia ainda não está disposta a romper com Bolsonaro. Quer enquadrá-lo.

No contexto maior está o agravamento da crise econômica. Os resultados do primeiro trimestre foram um banho de água fria. Há dois anos a economia brasileira anda de lado, depois do mergulho de 2015/16 que sacrificou mais de 7% da capacidade produtiva instalada. E agora imbicou. Uma contração. Os mais otimistas adiam para 2024 a retomada do patamar de 2014. Uma década perdida.

A crise do capitalismo brasileiro é grave. Ela é econômica e social. Os primeiros quatro meses e meio de governo Bolsonaro indicam que ela tende a transbordar em crise política de governo. Muitos pensam que o maior problema do Brasil é a estagnação. Não é, embora ela seja dramática, gravíssima. O maior problema persiste sendo a pobreza que sacrifica o dia a dia de mais de muitos e muitos milhões. O que explica este drama não é a estagnação. É a desigualdade social que não parou de crescer. A burguesia defende que a saída da crise passa pela retomada do crescimento para, no futuro, reduzir a miséria. A esquerda deve defender que a riqueza seja dividida para poder voltar a crescer.

*Este artigo não reflete, necessariamente, a opinião da Revista Fórum.

Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum