Valerio Arcary

09 de Maio de 2019, 06h05

Olavo de Carvalho defende a contrarrevolução permanente, mas não é o contrário de Trotsky

Valerio Arcary: “O líder intelectual da corrente neofascista merece ser comparado com Rasputin. Um excêntrico messiânico. Um maluco”

Foto: Reprodução/Vídeo

Estamos diante de uma avalanche de coisas estranhas acontecendo. Tão estapafúrdias e incríveis que nos deixam estupefatos. A luta entre as diferentes frações dentro do governo de extrema direita liderado por Bolsonaro mudou de tom. Começou a zoação.

Um dos líderes da ala militar partiu para a zombaria, mas errou feio. Errou grosseiramente. O general Villas-Bôas fez uma provocação e denunciou que Olavo de Carvalho seria um Trotsky de direita. A repercussão foi grande. Conseguiu disparar a procura no Google por Trotsky. Mas comparar o Rasputin do bolsonarismo com o revolucionário internacionalista, mártir da luta contra o capitalismo e o stalinismo, só que de signo invertido, foi injusto com Trotsky.

Portanto, paradoxalmente, agigantou Olavo de Carvalho em vez de diminuí-lo. Não, Olavo de Carvalho não tem, nem remotamente, a estatura de Leon Trotsky.

Independentemente da opinião que se possa ter sobre suas posições, Leon Trotsky é reconhecido, amplamente, muito além das fileiras dos militantes que lutam pela Quarta Internacional, e mesmo da esquerda em geral.

Foi um dos maiores líderes da revolução russa, um teórico criativo de mente irrequieta, um orador de imensa potência, um escritor brilhante com estilo elegante e um líder abnegado com irrefutável grandeza de caráter. Dizem os testemunhos dos contemporâneos que tinha uma personalidade firme, porém, agregadora, um temperamento enérgico, porém, equilibrado, uma atitude intensa e altiva, porém, amigável.

Trotsky foi um revolucionário gentil, um homem com gigantesca força e grandeza moral que lutou em tempos terríveis, e teve que tomar decisões terríveis.

Não era infalível. Ninguém é infalível. Mas se elevou acima da imensa maioria dos marxistas de sua geração. Enquanto existirem homens e mulheres engajados na luta contra o capitalismo, Trotsky estará presente entre nós, e sua memória será honrada.

O que define as intervenções de Olavo de Carvalho é o primarismo brutal que substitui, sistematicamente, argumentos por insultos, O extremismo delirante da defesa da contrarrevolução permanente não faz de Olavo de Carvalho o contrário de Trotsky. O líder intelectual da corrente neofascista merece ser comparado com Rasputin.
Um excêntrico messiânico.

Um maluco.

*Este artigo não reflete, necessariamente, a opinião da Revista Fórum.

Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum