Raphael Silva Fagundes

05 de março de 2019, 18h36

Ou o presidente finge ignorância ou não faz ideia do que é cidadania

“A despolitização tem como objetivo burlar a verdade e produzir uma base popular de apoio desinteressada em política e que, por sua vez, aceite tudo que o mestre disser”, diz Raphael Silva Fagundes, em novo artigo

Foto: Agência Brasil

Um jornalista disse uma vez: “A manipulação dos espíritos das crianças nos domínios da religião e da política provocaria nos pais uma tempestade de protestos… Mas, no mundo do comércio, as crianças são uma presa ideal e legítima” (1). Isso é extremamente curioso, principalmente em termos educacionais.

O presidente Jair Bolsonaro disse: “Mudar as diretrizes ‘educacionais’ implementadas ao longo de décadas é uma de nossas metas para impedir o avanço da fábrica de militantes políticos para formarmos cidadãos”. O que está errado nessa frase?

Ou o presidente se finge de burro ou não tem a mínima noção do que seja cidadania. Esta é justamente a manifestação política das pessoas; ter acesso ao livre debate político para se alcançar uma sociedade justa, isto é, onde as diferenças são administradas por meio do bom senso e da liberdade.

Infelizmente, a nossa educação nunca foi capaz de produzir militantes políticos. Os movimentos políticos, a conscientização popular, vêm da conjuntura gerada pelo capitalismo, de modo que as contradições desencadeadas por ele acabam por suscitar a crítica, a revolta. Infelizmente, por falta de uma educação capaz de produzir militantes políticos, o fascismo ganhou força e a extrema direita chegou ao poder.

Bolsonaro quer dar continuidade a esse sistema educacional, e pior, radicalizá-lo. O objetivo é transformar pessoas em capital humano, que sirvam de investimento para empresas e, em seguida, consumidores. Explorados duas vezes, na produção e sendo obrigados a comprar aquilo que o mercado julga útil vender.

Deve-se formar pessoas que não tenham noção dessa lógica e que façam de tudo para se vender em troca de alimentos saturados de transgênicos, automóveis poluentes e equipamentos tecnológicos voltados para um entretenimento que nos convence a reproduzir alienadamente essa lógica.

A manipulação em prol do mercado não pode ser contestada e, por isso, produz-se discursos contra a manipulação e doutrinação política e religiosa, tanto de um lado quanto do outro do espectro político.

É necessária uma educação cidadã, inconcebível, diga-se de passagem, enquanto vigorar o capitalismo, já que nossa noção de cidadania moderna é indissociável da noção de democracia. O capitalismo é um óbice para a democracia, já que ele não permite que os Estados pensem primeiro nas pessoas, mas, antes de tudo, nos interesses do mercado. A democracia foi usada como instrumento de libertação em muitos conflitos ao longo da história, mas sempre que a noção de “povo” se aproxima dela as elites se mobilizam para despolitizar as massas, não por meio de uma educação oficial despolitizada, mas pelo massacre aos movimentos e na produção de discursos despolitizados, como o faz com grande primor o nosso presidente. Entretanto, cabe lembrar que o discurso despolitizado é politizado ao extremo, pois atende aos interesses de determinado grupo. A despolitização das massas é o principal objetivo político de um governo reacionário que quer aprovar medidas que prejudicam a população.

É por isso que o mundo político está cheio de fake news às quais as pessoas compram como verdade. E as agências de investigação de notícias falsas são compradas; militam contra as fake news, mas veneram a desinformação. Sendo assim, uma frase como “a esquerda gosta tanto de pobre que acabou multiplicando-os” é pronunciada por um presidente. Mas a verdade é que a era Lula foi quando a pobreza foi mais combatida na história do Brasil, aliás, em nenhum lugar do mundo o índice de pobreza diminuiu em tão pouco tempo como nesse período. Mas a despolitização tem como objetivo burlar a verdade e produzir uma base popular de apoio desinteressada em política e que, por sua vez, aceite tudo que o mestre disser.

(1)Breton, Philippe. “A manipulação da palavra”. Trad. Maria S. Gonçalves. São Paulo: Loyola, 1999, p.72.

Nossa sucursal em Brasília já está em ação. A Fórum é o primeiro veículo a contratar jornalistas a partir de financiamento coletivo. E para continuar o trabalho precisamos do seu apoio. Saiba mais.


Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum