Seja #sóciofórum. Clique aqui e saiba como

#Opinião

11 de outubro de 2018, 17h26

O que está por trás do discurso autoritário do candidato fascista

Dennis de Oliveira: “O fascismo é um arranjo político feito para enquadrar à força toda a sociedade dentro de paradigmas que interessam ao capital”


10 de outubro de 2018, 18h49

Bolsonaro é um avatar. Como enfrentá-lo?

A Nova Direita tem o mesmo elemento de estetização da política criada pelo fascismo histórico: a narrativa ficcional cômica – de programas de humor da TV, Bolsonaro despontou como um “mito” de quem ria-se e não se levava a sério. Por isso, circulou livremente. Hoje, é o protagonista do “gran finale” da guerra híbrida. Como enfrentar um avatar?


10 de outubro de 2018, 18h00

Como as democracias entram em colapso?

A luta neste segundo turno não é entre direita e esquerda (...) Definitivamente, assistimos, espero que não passivos, à disputa entre DEMOCRACIA e AUTORITARISMO



10 de outubro de 2018, 08h21

Para entender melhor a guerra: pitacos para a campanha Haddad/Manu

Lava-Jato + Globo produziram um protagonismo sem precedentes da extrema-direita. Os partidos de direita e centro-direita que patrocinaram o golpe se derreteram


09 de outubro de 2018, 21h32

Cartas do Pai: “Fakeminions”

A propaganda nazista é usada nos dias de hoje, assim como Hitler usou, para tentar ganhar uma eleição, se aproveitando da democracia para incitar o ódio em cima de mentiras que são repetidas pelos seus seguidores


09 de outubro de 2018, 18h00

Vencer o fascismo não é uma questão partidária

Daniela Lima escreve em novo artigo: “O fascismo transforma insatisfação em ódio, ao determinar um inimigo que se torna automaticamente responsável por todas as frustrações de uma determinada coletividade”


09 de outubro de 2018, 15h35

Haddad precisa apresentar um modelo democrático de combate à corrupção

Uma medida para combater a corrupção (e que dificilmente será proposta pela direita) é a democracia direta. Grande parte da corrupção ocorre no processo de votação de leis no Congresso, onde são propostas questões que beneficiam empresas


08 de outubro de 2018, 22h53

Bolsonaro não é imbatível

Valerio Arcary faz um primeiro balanço das eleições: “A defesa de uma linha de classe é a chave para manter os votos que o PT obteve no primeiro turno, e expandir. Chegou a hora de colocar a classe operária em movimento”


08 de outubro de 2018, 13h22

Haddad no governo, Haddad no poder!

Não tenho bola de cristal, mas Haddad pode enfrentar dificuldades se continuar a ser apenas o representante do ex-presidente. Daqui para a frente, terá de ser corpo e espírito


08 de outubro de 2018, 12h48

O jogo político sombrio para eleger Bolsonaro

A lógica ilógica é a seguinte: cometer crimes para acabar com a criminalidade; criar mentiras para combater a mentira; usar a violência para combater a violência. É assim que se acabará com a corrupção e com a violência no país. A técnica é da Gestapo


07 de outubro de 2018, 09h36

Ainda há tempo para derrotar Bolsonaro

Valerio Arcary: “Há pelo menos dois anos, acontece uma discussão na esquerda brasileira, mais ou menos erudita, para saber se é ou não correto classificar Bolsonaro como fascista. Prevaleceu, felizmente, a opinião de que Bolsonaro é um fascista”


06 de outubro de 2018, 17h41

Os poderosos podem matar uma, duas ou três rosas, mas jamais conseguirão deter a primavera inteira (Che Guevara)

Bolsonaro é um criminoso; no mínimo, deveria responder por apologia ao crime. Trata-se de um psicopata extremamente perigoso. E eu não quero meu país sendo governado por uma pessoa que pregue o ódio, a violência, a intolerância. Ou seja, um fascista


06 de outubro de 2018, 11h20

Bolsonaro 2022

Tomaz Amorim, em novo texto, diz que “uma vitória de Haddad ou de Ciro no segundo turno destas eleições, com seus planos de governos de centro e suas disposições aos velhos acordões, é garantia de vitória de Bolsonaro em 2022"


06 de outubro de 2018, 10h13

Haverá segundo turno: e o resultado da guerra está totalmente em aberto

Em novo artigo, Julian Rodrigues diz: “Não existirá espaço para vacilações ou dúvidas. No segundo turno temos a tarefa de fazer eclodir o que há de melhor, o que há de justo, o que há de belo, o que há de razoável e racional em nosso país. Será uma guerra implacável”