Reginaldo Lopes

04 de junho de 2019, 18h44

Por uma nova agenda econômica

Em sua coluna de estreia, o deputado Reginaldo Lopes diz: “Se depender das medidas do governo federal, a tendência é de aprofundamento da crise econômica”

Foto: Reprodução

Uma nova agenda econômica e um novo pacto federativo são urgentes para a sobrevivência do Estado nacional. Os dados divulgados na semana passada pela pesquisa do IBGE comprovam a decadência do modelo econômico baseado no fundamentalismo fiscal. O PIB do 1º trimestre de 2019 caiu 0,2% na comparação com o 4º trimestre de 2018. O despreparo e a insensatez de Jair Bolsonaro na condução do governo levaram os agentes econômicos a inverterem uma expectativa favorável, comum no início de governo, agora substituída por um clima de pessimismo.

Se depender das medidas do governo federal, a tendência é de aprofundamento da crise econômica. A sua prioridade é a aprovação de uma reforma da Previdência, que pode tirar o direito de parte dos brasileiros se aposentar. A proposta é praticamente a destruição do modelo de seguridade social, que hoje é um importante instrumento de distribuição de renda. Querem tirar 900 bilhões de reais dos mais pobres e, como nossa economia é dependente do consumo de família, que representa 64% do PIB, isso significa mais um obstáculo para a retomada do crescimento econômico.

Se o governo quisesse de fato enfrentar os privilégios que diz atacar na Previdência, a reforma debatida seria a tributária. Nosso modelo tributário é anacrônico. Quem paga imposto são os pobres e a classe média. É urgente mudar a composição da tributação, tornando-a mais eficiente e justa para aumentar a renda disponível de setores de baixa renda. Na outra ponta da pirâmide, instituir a taxação sobre lucros, dividendos e grandes fortunas. Ou seja, fazer finalmente com que os milionários brasileiros paguem impostos, pois não há justiça social sem justiça tributária.

O Brasil precisa também retomar uma ousada agenda de investimentos públicos em obras e infraestrutura, estratégicos para a retomada do crescimento econômico. Infelizmente, o que o governo Bolsonaro defende e pratica é o contrário. Inútil falar em investimentos públicos com um governo que criou a inusitada Secretaria da Desestatização e ‘Desinvestimento’, que, aliás, é ocupada por um mineiro.

O campo educacional deve retomar seu ciclo de investimentos para qualificar o país em ciência e tecnologia e ajudar a reverter o processo de desindustrialização do Estado. O IBGE acaba de afirmar que a nossa indústria voltou à época pré-Vargas, representando míseros 11,2% do PIB. Na contramão desta necessidade, Bolsonaro elegeu a educação brasileira como principal inimiga e praticou um corte generalizado de verbas no setor.

Apesar dos pesares, a esperança mora nos corações e mentes dos milhões de estudantes, professores, brasileiros que caminharam em manifestações nos últimos dias. A luta que eles defendem é muito maior do que os cortes na educação que denunciam. Estão nas ruas para garantir o nosso futuro e para provar que o Brasil é mais forte que este governo. É nesse Brasil que acredito.

*Este artigo não reflete, necessariamente, a opinião da Revista Fórum.

Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum