Reginaldo Lopes

26 de junho de 2019, 15h11

Projeto reabilita pessoas físicas para tirar os brasileiros do SPC

Reginaldo Lopes: “Precisamos recuperar o círculo virtuoso vivido na década anterior, quando o brasileiro melhorava de vida e com isso melhorava a economia do Brasil”

Foto: Tomaz Silva/Agência Brasil

Aquela que já foi a maior empreiteira do país, a Odebrecht, entrou em processo de recuperação fiscal. Assim como ela, que tem uma dívida declarada de R$ 98,5 bilhões, grandes empresas foram praticamente à falência após as investidas da Operação Lava Jato.

É fundamental combater com todo o rigor os atos de corrupção, mas o custo não pode ser a destruição da economia de um país. A corrupção representa um câncer na vida nacional. Mas, usando a analogia trazida pelo advogado Walfrido Warde, no seu livro “O espetáculo da corrupção”, jamais se cura um câncer sacrificando-se o paciente. Tem que extirpar a doença para recuperar o corpo e, assim, dar vida ao paciente. Mas o que está sendo feito no Brasil é matar o paciente para levar junto o câncer.

Inscreva-se no nosso Canal do YouTube, ative o sininho e passe a assistir ao nosso conteúdo exclusivo

O caso Odebrecht mostra que notícias sobre a decadência da nossa economia vêm de todos os lados. A empresa já somou mais de 200 mil funcionários diretos e, com um país com milhões de desempregados, sua possível falência é uma péssima notícia.

A situação reforça a necessidade da criação de um pacto nacional pela retomada do crescimento econômico, com uma agenda capaz de reativar o processo de geração de empregos e renda e medidas imediatas para reverter o colapso que se aprofunda.

Por falar em recuperação, apresentamos, na Câmara dos Deputados, o Projeto de Lei 3721/19, que trata da recuperação financeira de pessoas físicas. Proposta semelhante ficou famosa durante o processo eleitoral, quando Ciro Gomes (PDT) defendeu sua implementação, ficando popularmente conhecida como “tirar o nome do brasileiro do SPC”. Apesar de muito debatida, ela foi pouco explicada. Além de possível, ela é imprescindível para a reativação de uma economia composta em 80% pela movimentação financeira das famílias.

O número de brasileiros com dívidas é alarmante. Cerca de 63 milhões de pessoas fecharam 2018 com o nome negativado no Serviço de Proteção ao Crédito. Em média, as dívidas somam R$ 3.239, porém mais da metade possui dívidas que não ultrapassam R$ 1.000. A quase totalidade dos devedores é composta por vítimas da crise econômica que traz desemprego, trabalho precário, miserabilidade. Vítimas principalmente das taxas de juros exorbitantes praticadas no Brasil e inaceitáveis em qualquer democracia contemporânea.

Na proposta que apresento, consideramos apenas os devedores que não possuem bens para nomear à penhora e nem fonte de renda capaz de liquidar as dívidas. Eles teriam direito ao parcelamento da dívida e/ou à exclusão dos juros. A decretação de insolvência pode ser requerida pelo devedor por requerimento formulado à Justiça ou a cartório credenciado. Comprovada a incapacidade de quitação normal, o juiz decretará a insolvência civil do devedor em situação de vulnerabilidade. O juízo notificará os credores para que possam se manifestar sobre o plano de pagamento. Manifestada a concordância, o processo segue para reconhecimento de insolvência civil para homologação. Não havendo concordância pelos credores, o processo será remetido para abertura de processo de reconhecimento de insolvência civil sem acordo.

O objetivo principal da proposta é recuperar a capacidade financeira de brasileiros que hoje estão alijados do consumo e, com isso, dar um impulso na economia das famílias.

Precisamos recuperar o círculo virtuoso vivido na década anterior, quando o brasileiro melhorava de vida e com isso melhorava a economia do Brasil.

*Este artigo não reflete, necessariamente, a opinião da Revista Fórum.

Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum