Raimundo Bonfim

05 de junho de 2019, 21h30

Unidade rumo à greve geral

Raimundo Bonfim: “Acredito que a Greve Geral pode ser o ápice das últimas mobilizações, dos dias 15 e 30 de maio, contra o governo e pode nos ajudar a retomar um novo ciclo de lutas no Brasil”

Foto: Reprodução

A Frente Brasil Popular, Frente Povo Sem Medo e Centrais Sindicais se reuniram na noite desta terça-feira (4) para organizar a Greve Geral do próximo dia 14 de junho em defesa da Aposentadoria Pública.

Tenho mencionado nesta coluna quinzenalmente a importância do engajamento dos movimentos sociais, populares, sindicais e de cada um para defender os direitos da classe trabalhadora, que estão sendo duramente atacada dia após dia.

Acredito que a Greve Geral pode ser o ápice das últimas mobilizações, dos dias 15 e 30 de maio, contra o governo e pode nos ajudar a retomar um novo ciclo de lutas no Brasil.

Isso acontece porque em pouco mais de cinco meses de governo o povo já sente na pele as consequências do programa ultraliberal de Paulo Guedes e Bolsonaro, que tem aumentado o desemprego e, por consequência, a miséria. São mais de 13 milhões de pessoas que não possuem o direito ao emprego, além de corte de recursos em todas as áreas sociais.

A juventude já percebeu que ficará sem estudar, sem trabalhar e sem se aposentar se não se levantar contra esse projeto. É por isso que, ao lado dos educadores, milhares de jovens têm saído às ruas em defesa da educação e da aposentadoria.

As mulheres já demonstram desde as manifestações do dia 8 de março (Dia Internacional da Mulher) sua posição contra as políticas de Bolsonaro.  São contra a política patriarcal, que se solidariza com o criminoso, e não com as cotidianas vítimas da violência machista.

Os que foram às ruas defender o governo, ou se beneficiam com o aumento da desigualdade, ou são muito iludidos a acreditarem que se beneficiam. É preocupante ver pessoas indo às ruas para ser contra a educação e a democracia em um país em que mais de 40 milhões de pessoas estão em situação de miserabilidade. É um crime contra a humanidade.

O governo já sabe que o povo não aceita e não aceitará ver seus direitos retirados. Já provamos em 2017, na Greve Geral de abril, que temos força para barrar a reforma da Previdência.

Precisamos desde já nos engajar na construção e preparação da Greve Geral, tão necessária para impedir a aprovação do desmonte da previdência pública e acumular força para derrotar o governo Bolsonaro, abrindo uma nova etapa para a retomada de um governo das forças democráticas e de esquerda, que priorize o crescimento econômico, crédito para o (a) trabalhador (a), geração de emprego, distribuição de renda, investimento nas áreas sociais e em obras públicas, especialmente na construção de hospitais, escolas, estradas e moradias populares.

O movimento popular está se articulando para envolver na greve geral milhares de trabalhadores que não estão vinculados aos sindicatos por causa da informalidade.

*Este artigo não reflete, necessariamente, a opinião da Revista Fórum.

Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum