Alexandre Frota pede adiamento do Enem e bomba nas redes

O polêmico parlamentar, que causou alvoroço ao visitar o MEC em 2016, apresentou projeto contrário ao ministro Abraham Weintraub

O deputado federal Alexandre Frota (PSDB-SP) virou assunto do momento no Twitter nesta quinta-feira (14) por apresentar um projeto de lei que pede o adiamento do Exame Nacional do Ensino Médio de 2020 por tempo indeterminado. A pauta é defendida por estudantes e entidades estudantis, que pressionam o Ministério da Educação.

“Acabei de dar entrada em um novo projeto de lei que adia por prazo indeterminado a realização do Enem deste ano, enquanto durar o estado de calamidade publica”, escreveu o parlamentar na rede social.

Diversos estudantes e professores comentaram sobre a notícia dizendo que jamais imaginariam que estariam ao lado de Frota. O parlamentar causou polêmica em 2016 ao visitar o MEC e apresentar propostas do “Escola Sem Partido” ao então chefe da pasta, Mendonça Filho, junto do grupo Revoltados On Line.

“Eu nunca vou perdoar o abraao por tornar o Alexandre frota a esperança dos estudantes brasileiros”, escreveu a educadora Débora Aladim.

“2020 tá tão bugado que tá fazendo a gente chegar ao ponto de ter que concordar com o Alexandre Frota…”, tuitou Jeska Machado.

Entidades estudantis como a UNE e a UBES, além de representantes de universidades, já defenderam o adiamento do exame por conta da pandemia do coronavírus. A Bancada do PT na Câmara chegou a acionar o MPF para suspender o exame e apresentou um Projeto de Decreto Legislativo na Câmara para suspender os editais – mas ainda não houve votação.

Confira as reações na rede:

https://twitter.com/alefrota77/status/1260977600735870976
https://twitter.com/DedaAladim/status/1260988339513167875
Avatar de Redação

Redação

Direto da Redação da Revista Fórum.

Você pode estar junto nesta luta

Fórum é um dos meios de comunicação mais importantes da história da mídia alternativa brasileira e latino-americana. Fazemos jornalismo há 20 anos com compromisso social. Nascemos no Fórum Social Mundial de 2001. Somos parte da resistência contra o neoliberalismo. Você pode fazer parte desta história apoiando nosso jornalismo.

APOIAR