“Autocrítica”: Haddad “assume” que fez a maior contratação de professores do país

Ex-ministro da Educação relembrou sua gestão ao comentar declaração de Bolsonaro de que "excesso" de professores "atrapalha"

O ex-prefeito e ex-ministro da Educação, Fernando Haddad (PT), usou da ironia para rebater a declaração de Jair Bolsonaro atacando a contratação de professores.

Em conversa com apoiadores na sexta-feira (18), o presidente disse “o Estado foi muito inchado” e que o “excesso” de professores “atrapalha”.

Haddad, então, foi às redes sociais para fazer uma “autocrítica” de sua gestão no MEC.

“Autocrítica: assumo que fui o responsável pela maior contratação de professores para a rede federal de educação superior e profissional da história do Brasil que hoje, segundo Bolsonaro, atrapalham o país. Aviso: faremos mais a partir de 2023!”, escreveu o prefeito.

A postagem, feita na noite de sexta-feira, viralizou no Twitter. Confira.

De acordo com relatório da Education at a Glance 2021, feito pela OCDE (Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico), divulgado na manhã desta quinta-feira (16), o Brasil é um dos poucos países do mundo que não aumentaram recursos para a Educação durante a pandemia do coronavírus, com o objetivo de reduzir prejuízos com aprendizagem e enfrentar os desafios do período.

Entre 65% e 78% das nações do planeta elevaram o orçamento para ao menos alguma das etapas da educação básica. O Brasil não destinou, no período, nem um centavo a mais de recursos para nenhum segmento do ensino.

Notícias relacionadas

Avatar de Ivan Longo

Ivan Longo

Jornalista, editor de Política, desde 2014 na revista Fórum. Formado pela Faculdade Cásper Líbero (SP). Twitter @ivanlongo_

Você pode estar junto nesta luta

Fórum é um dos meios de comunicação mais importantes da história da mídia alternativa brasileira e latino-americana. Fazemos jornalismo há 20 anos com compromisso social. Nascemos no Fórum Social Mundial de 2001. Somos parte da resistência contra o neoliberalismo. Você pode fazer parte desta história apoiando nosso jornalismo.

APOIAR