Carlos Wizard se cala, vídeos consentem e internet reage: “covarde”

A reação nas redes ao silêncio do empresário acusado de integrar o “Gabinete Paralelo” do ministério da Saúde foi implacável. Veja aqui

O empresário bolsonarista Carlos Wizard usou do seu direito concedido por um habeas corpus para permanecer em silêncio durante seu depoimento na CPI do Genocídio, nesta quarta-feira (30).

O empresário não respondeu a nenhuma das perguntas. A reação nas redes foi implacável e o empresário foi chamado sobretudo de covarde.

O deputado federal Orlando Silva (PCdoB) tuitou, pouco antes do depoimento que esta será “a cena mais humilhante da CPI: o relator fará todas as perguntas e, uma a uma, o depoente terá que reafirmar que permanecerá em silêncio, enquanto vídeos comprovam os fatos. O silêncio é, mais do que nunca, de uma eloquência extraordinária”.

Vergonha também foi a palavra usada pelo deputado federal Ivan Valente (PSOL-SP): “O Brasil está assistindo a uma das cenas mais vergonhosas do Senado Federal. Carlos Wizard é mais que um charlatão: é um criminoso que ri da morte de pessoas quanto nada em dinheiro. Deve ser preso o mais rápido possível”.

O empresário e youtuber Felipe Neto foi ainda mais contundente e escreveu: “Carlos Wizard, O senhor é uma vergonha e jogou na lata do lixo todo o seu legado. Sua covardia jamais será esquecida”.

Entre outros comentários, Marcelo Freixo (PSB-RJ) foi fulminante: “Como todo bolsonarista, Carlos Wizard é um covarde”.

Veja mais comentários abaixo:

Publicidade
Avatar de Julinho Bittencourt

Julinho Bittencourt

Jornalista, editor de Cultura da Fórum, cantor, compositor e violeiro com vários discos gravados, torcedor do Peixe, autor de peças e trilhas de teatro, ateu e devoto de São Gonçalo - o santo violeiro.

Você pode estar junto nesta luta

Fórum é um dos meios de comunicação mais importantes da história da mídia alternativa brasileira e latino-americana. Fazemos jornalismo há 20 anos com compromisso social. Nascemos no Fórum Social Mundial de 2001. Somos parte da resistência contra o neoliberalismo. Você pode fazer parte desta história apoiando nosso jornalismo.

APOIAR