Daniela Lima cobra Gazeta do Povo por nota baseada em perfil fake de memes

Colunista de site de extrema direita usou como verdadeiras declarações do perfil G1 Memes atribuídas à jornalista

A jornalista e âncora da CNN Brasil, Daniela Lima, postou em sua conta do Twitter, nesta quarta-feira (28), duras críticas ao site de extrema direita Gazeta do Povo. No post, a jornalista cobra retratação do site, que postou declarações atribuídas a ela baseadas em um perfil fake de memes que parodia o G1, da Globo.

“Eu espero real uma resposta da @gazetadopovo. E sem piadinha do colunista que aspeou fala atribuindo a uma emissora “piadinha” de rede social que rendeu ameaça pros meus pais. Espero muito. E sem voltas. Pq colunista que aspeia mentira e não corrige não merece o espaço q tem.”

A jornalista já havia denunciado ao Twitter o perfil que usa o logo do portal G1.

“Alou, @TwitterSafety. Utiliza logo e assinatura de veículo real, mas a conta é fake. Faz piada misógina e dissemina desinformação. Uma análise nos comentários mostra como os usuários dessa rede não se dão ao trabalho nem de observar a @ q publica. Fica por isso mesmo?”, questionou a âncora da CNN.

A conta denunciada, denominada G1 memes, criou uma fake news envolvendo seu nome. Nele, a jornalista teria dito que o incêndio à estátua do Borba Gato, no último sábado, foi “pacífico” e que “todos estavam de máscara”.  A mensagem simula que se trata de uma notícia do portal de notícias da Globo. O perfil, que sumiu do ar, faz várias outras postagens falsas ofensivas, especialmente contra mulheres.

Avatar de Julinho Bittencourt

Julinho Bittencourt

Jornalista, editor de Cultura da Fórum, cantor, compositor e violeiro com vários discos gravados, torcedor do Peixe, autor de peças e trilhas de teatro, ateu e devoto de São Gonçalo - o santo violeiro.

Você pode estar junto nesta luta

Fórum é um dos meios de comunicação mais importantes da história da mídia alternativa brasileira e latino-americana. Fazemos jornalismo há 20 anos com compromisso social. Nascemos no Fórum Social Mundial de 2001. Somos parte da resistência contra o neoliberalismo. Você pode fazer parte desta história apoiando nosso jornalismo.

APOIAR