Declaração de Bolsonaro sobre fraude na eleição de 2018 atiça milícia virtual, que levanta tag

A hashtag #FoiNoPrimeiroTurno passou a ocupar os TTs do Twitter com especulações sobre urnas fraudadas e pedidos para o retorno do voto em papel

Em discurso nesta segunda-feira (9) em um seminário de empresários brasileiros em Miami, nos Estados Unidos, o presidente Jair Bolsonaro afirmou, sem apresentar provas, que houve fraude na apuração dos votos das eleições presidências de 2018 e que ele teria vencido no 1º turno. A declaração fez com que sua milícia virtual levantasse a hashgtag #FoiNoPrimeiroTurno no Twitter, que passou a ocupar os trending topics nesta terça.

“Minha campanha, eu acredito que, pelas provas que tenho em minhas mãos, que vou mostrar brevemente, eu tinha sido, eu fui eleito no primeiro turno, mas no meu entender teve fraude”, afirmou o presidente em seu discurso em Miami.

As publicações da milícia virtual no Twitter, compartilhadas por lideranças do Congresso ligadas a Bolsonaro, levantam a teoria de que as urnas eletrônicas foram fraudadas e que teriam computado o número 13, de Fernando Haddad (PT), no lugar do 17 de Bolsonaro. Outras publicações dizem que urnas classificavam os votos do ex-capitão como “nulos”.

Com isso, parte dos perfis passou a exigir o retorno dos votos em papel. Outros, a criticar as acusações de que o presidente venceu a disputa a partir de disparos massivos de fake news e outros ataques via WhatsApp.

A oposição aproveitou a declaração do presidente para pedir novas eleições ou então seu impeachment. Um dos argumentos levantado nas redes acusa Bolsonaro de usar a declaração de fraude como “cortina de fumaça” para o baixo desempenho de seu governo no âmbito econômico.

Confira:

Avatar de Redação

Redação

Direto da Redação da Revista Fórum.

Você pode estar junto nesta luta

Fórum é um dos meios de comunicação mais importantes da história da mídia alternativa brasileira e latino-americana. Fazemos jornalismo há 20 anos com compromisso social. Nascemos no Fórum Social Mundial de 2001. Somos parte da resistência contra o neoliberalismo. Você pode fazer parte desta história apoiando nosso jornalismo.

APOIAR