Defensores da ditadura e do livre mercado, bolsonaristas reclamam de “censura” do Youtube ao Terça Livre

Influenciadores das ideias neoliberais, Rodrigo Constantino e Leandro Ruschel tuitaram que "censura" segue a todo vapor. Empresa privada, Youtube excluiu canal por "violações graves ou repetidas de nossas diretrizes de comunidade" após duas advertências

Revisionistas quando o tema é ditadura militar, que insituiu o AI-5, e neoliberais na economia, defendendo o “livre mercado”, apoiadores de Jair Bolsonaro levaram o termo “censura” ao topo dos temas mais comentados do Twitter na manhã desta quinta-feira (4) para reclamar da remoção do canal Terça Livre, de Allan dos Santos, pelo Youtube por “violações graves ou repetidas de nossas diretrizes de comunidade” após duas advertências.

“O ataque ao Terça Livre é mais um capítulo da censura sem precedentes a corrente política que semeou a liberdade no mundo”, escreveu Felipe Pedri, Secretário de Comunicação Institucional do governo Bolsonaro

“Excluíram os canais oficial e reserva do Terça Livre no YouTube. A censura segue a todo vapor”, tuitou o comentarista da Jovem Pan, Rodrigo Constantino.

“A liberdade de expressão das vozes conservadoras está sobre um forte ataque sem precedente na história. Agora o @YouTube
usa do expediente covarde da censura contra o @tercalivre, retirando do ar seus dois canais. Manifesto minha solidariedade ao
@allanldsantos e equipe”, publicou o deputado bolsonarista Otoni de Paula (PSC-RJ).

“Canais do Terça Livre foram bloqueados no YouTube. A censura e ditadora das Big Techs avança”, tuitou o influenciador bolsonarista Leandro Ruschel.

https://twitter.com/leandroruschel/status/1357145733133176833
Avatar de Plinio Teodoro

Plinio Teodoro

Jornalista, editor de Política da Fórum, especialista em comunicação e relações humanas.

Você pode estar junto nesta luta

Fórum é um dos meios de comunicação mais importantes da história da mídia alternativa brasileira e latino-americana. Fazemos jornalismo há 20 anos com compromisso social. Nascemos no Fórum Social Mundial de 2001. Somos parte da resistência contra o neoliberalismo. Você pode fazer parte desta história apoiando nosso jornalismo.

APOIAR