Drauzio Varella mostra como é a vida de trans presas e comove a web

"Há uma pressão para que a trans seja considerada marginal o tempo todo", lamenta o médico na reportagem. Drauzio realiza há décadas trabalho voluntário em penitenciárias

O programa Fantástico, da TV Globo, exibiu neste domingo (1) uma reportagem apresentada pelo doutor Drauzio Varella sobre a vida das mulheres trans e travestis que foram confinadas em presídios masculinos. O olhar humano e sensível de Drauzio ao conduzir as entrevistas comoveu as redes sociais na manhã desta segunda-feira, levando o nome do médico aos trending topics do Twitter.

Ao todo, 700 mulheres trans estão presas no estado de São Paulo. “Há uma pressão para que a trans seja considerada marginal o tempo todo”, lamenta o médico na reportagem. Varella atua há mais de 30 anos como médico voluntário em penitenciárias.

Na reportagem, Drauzio aborda questões como o preconceito, abandono e violência que essas mulheres enfrentam nos presídios. Em uma das entrevistas, que ocorre no Centro de Detenção Provisória de Pinheiros, uma das mulheres trans conta que não recebe visitas há oito anos e que sofre com a solidão. Em seguida, o médico levanta e abraça a presa.

Em outro trecho da reportagem, o médico comenta sobre um presídio masculino em Igarassu (PE) que traz um tratamento humanizado às mulheres trans e travestis ali confinadas. Elas possuem uma ala própria e são liberadas para usar a roupa de sua preferência.

Uma das entrevistas conta que se sentiu mais acolhida e respeitada neste presídio de pernambuco do que vivendo livre. Ela conta que teve a oportunidade de trabalhar na cadeia, algo que lhe foi negado pela sociedade por ser uma mulher trans.

Confira:

https://twitter.com/bchartsnet/status/1234306325250703360
Avatar de Luisa Fragão

Luisa Fragão

Jornalista.

Você pode estar junto nesta luta

Fórum é um dos meios de comunicação mais importantes da história da mídia alternativa brasileira e latino-americana. Fazemos jornalismo há 20 anos com compromisso social. Nascemos no Fórum Social Mundial de 2001. Somos parte da resistência contra o neoliberalismo. Você pode fazer parte desta história apoiando nosso jornalismo.

APOIAR