Eduardo Bolsonaro: Se Mario Frias segurasse um órgão masculino ao invés de um fuzil seria louvado

Frias aparece ao lado de um instrutor de tiro, com a legenda: “’Povo armado jamais será escravizado!”

O deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL-SP) resolveu comentar foto publicada na coluna de Mônica Bergamo, nesta terça-feira (29), onde o secretário de Cultura Mario Frias aparece segurando um fuzil em um estande de tiro.

Para Dudão, se Frias “aparecesse segurando um baseado ou um órgão sexual masculino, aí seria louvado pela mesma BLOGUEIRA… sempre isso”, comentou.

“A Folha ficou indignada porque o Secretário da Cultura @mfriasoficial, que tem registro de atirador há anos, apareceu segurando um fuzil em um clube de tiro Se ele aparecesse segurando um baseado ou um órgão sexual masculino, aí seria louvado pela mesma BLOGUEIRA… sempre isso.”

Frias aparece ao lado de Helton Rego, que se identifica como instrutor de tiro, com a legenda: “’Povo armado jamais será escravizado!’ Neste sábado tive a honra de dividir um pouco de conhecimento com o nosso secretário de Cultura. Obrigado pela confiança, amigo!”.

Questionado pela coluna de Mônica Bergamo, Helton Rego afirmou que “não dá informação para a Folha e para a Globo”.

Perguntado sobre a frase que ilustra a foto, Helton disse que ela é “do excelentíssimo presidente Jair Bolsonaro”.

A secretaria de Cultura afirmou que Frias “possui registro de atirador há mais de dois anos” e que a foto foi feita durante atividade particular, em um espaço adequado para a prática do tiro esportivo.

Avatar de Julinho Bittencourt

Julinho Bittencourt

Jornalista, editor de Cultura da Fórum, cantor, compositor e violeiro com vários discos gravados, torcedor do Peixe, autor de peças e trilhas de teatro, ateu e devoto de São Gonçalo - o santo violeiro.

Você pode estar junto nesta luta

Fórum é um dos meios de comunicação mais importantes da história da mídia alternativa brasileira e latino-americana. Fazemos jornalismo há 20 anos com compromisso social. Nascemos no Fórum Social Mundial de 2001. Somos parte da resistência contra o neoliberalismo. Você pode fazer parte desta história apoiando nosso jornalismo.

APOIAR