Esposa do dono da Embelleze afirma que marido não se posiciona sobre racismo porque “toca no bolso”

Monique Elias disse que o marido "não entra em bola dividida"; principal público alvo da marca são mulheres negras

A influencer Monique Elias, esposa do dono da marca de produtos de beleza Embelleze, afirmou que o marido não se posiciona a favor dos movimentos antirracistas por interesses financeiros. “É muito fácil ficar em cima do muro”, disse, em entrevista ao perfil Beyoncé Destruidora.

Monique tem mais de 1 milhão de seguidores no Instagram e é casada com o empresário Itamar Serpa Fernandes, fundador da marca Embelleze. A empresa, que nasceu como uma produtora de alisantes de cabelo, desenvolveu nos últimos anos uma série de produtos direcionados a cabelos cacheados e crespos e tem como principais consumidoras mulheres negras. Apesar disso, a marca não se manifestou sobre os movimentos antirracistas.

Questionada sobre o assunto, Monique, que fez alguns posts de apoio no seu perfil pessoal, afirmou que, para a empresa, o que importa mais é o dinheiro. “O Itamar me respondeu que ele não entra em bola dividida. Eu acredito que é muito fácil ficar em cima do muro, Cris. As pessoas não se posicionam sabe por quê? Porque toca na ferida, a ferida é o bolso”, disse.

https://www.instagram.com/tv/CB59co-FOpV/?utm_source=ig_web_copy_link

Após ser alvo de críticas pelo comentário, Monique publicou, nesta terça (30), uma série de vídeos no seu Instagram pedindo para que as pessoas não se prendessem a notícias sensacionalistas e versões distorcidas do fato.

Ela ainda afirmou que era muito difícil se posicionar em oposição à própria família e disse seguir uma religião afro-brasileira, comentando sobre seus posicionamento pessoais nas redes.

Avatar de Gabriella Sales

Gabriella Sales

Estudante de Jornalismo na ECA-USP e estagiária da Fórum.

Você pode estar junto nesta luta

Fórum é um dos meios de comunicação mais importantes da história da mídia alternativa brasileira e latino-americana. Fazemos jornalismo há 20 anos com compromisso social. Nascemos no Fórum Social Mundial de 2001. Somos parte da resistência contra o neoliberalismo. Você pode fazer parte desta história apoiando nosso jornalismo.

APOIAR