Ex-atriz pornô Mia Khalifa responde a Randolfe: “estou a caminho”

Randolfe fez piada com o fato de Pazuello ter negociado a Coronavac com uma empresa autorizada a importar produtos eróticos e citou Khalifa; ela respondeu

A ex-atriz pornô Mia Khalifa respondeu na noite deste domingo (18) a um chamado pelo Twitter do senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP), vice-presidente da CPI da Covid: “Vocês estão em uma crise… Estou a caminho”, disse ela, com emojis de avião e mala de viagem.

Randolfe fez piada em um tuíte com o fato do ex-ministro da Saúde, o general Eduardo Pazuello, ter negociado a Coronavac com uma empresa autorizada a importar produtos eróticos. Na mensagem ele cita Khalifa:

“Em vez de negociar com o Butantan, Pazuello foi negociar a Coronavac com uma empresa de importação de produtos eróticos… Corre aqui @miakhalifa! Acho que estavam te usando de cortina de fumaça!”

Mia já tinha reagido às menções a seu nome por senadores na CPI, postando uma montagem dela própria como se estivesse prestando depoimento. A postagem, em que ela escreveu “a mulher do povo”, viralizou instantaneamente e virou meme.

A empresa catarinense World Brands, que negociou com o então ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, a compra de 30 milhões de doses superfaturadas de CoronaVac, está apta a importar uma série de itens, inclusive produtos eróticos.

As apurações da CPI do Genocídio descobriram que a empresa tem cadastro de atividades e negócios que englobam a importação de uma enorme variedade de produtos, menos vacinas.

Avatar de Julinho Bittencourt

Julinho Bittencourt

Jornalista, editor de Cultura da Fórum, cantor, compositor e violeiro com vários discos gravados, torcedor do Peixe, autor de peças e trilhas de teatro, ateu e devoto de São Gonçalo - o santo violeiro.

Você pode estar junto nesta luta

Fórum é um dos meios de comunicação mais importantes da história da mídia alternativa brasileira e latino-americana. Fazemos jornalismo há 20 anos com compromisso social. Nascemos no Fórum Social Mundial de 2001. Somos parte da resistência contra o neoliberalismo. Você pode fazer parte desta história apoiando nosso jornalismo.

APOIAR