Flávio Dino a Eduardo Bolsonaro: “Nem com soldado, cabo ou capitão”

Filho de jair Bolsonaro afirmou em entrevista que vai chegar a hora em que seu pai vai descumprir ordens do STF

O governador do Maranhão, Flávio Dino (PSB), respondeu às ameaças do deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL-SP), que afirmou em entrevista ao programa do bolsonarista Luís Ernesto Lacombe na noite desta quinta-feira (20), que vai chegar a hora em que seu pai, o presidente Jair Bolsonaro (Sem Partido), vai descumprir ordens do Supremo Tribunal Federal (STF).

“Não chegará tal hora”, afirmou Dino. “Nem com soldado, nem com cabo, nem com capitão. O Brasil é muito maior do que milícias e miniditadores”.

Eduardo ainda voltou a falar da prisão dos “filhos” de Bolsonaro. Em depoimento do general Walter Braga Netto, ministro da Defesa, à Comissão de Fiscalização Financeira e Controle da Câmara na última terça-feira (17), Dudão já havia falado que “existem deputados que estão cogitando a prisão do meu irmão“.

“Ele [Jair Bolsonaro] tenta sempre agir dentro das quatro linhas da Constituição. Mas, ao que parece, não tem mais corda para você esticar. Qual seria o próximo passo? Prender o presidente? Prender um dos filhos? A gente não tem medo de prisão. Agora, fazer isso, sem ter motivo?”, afirmou.

Durante a campanha de 2018, em palestra antes do primeiro turno, Eduardo disse caso o STF tentasse impugnar a candidatura do pai teria “que pagar para ver o que acontece”. “Se quiser fechar o STF você não manda nem um Jipe, manda um soldado e um cabo”, afirmou à epoca.

Avatar de Julinho Bittencourt

Julinho Bittencourt

Jornalista, editor de Cultura da Fórum, cantor, compositor e violeiro com vários discos gravados, torcedor do Peixe, autor de peças e trilhas de teatro, ateu e devoto de São Gonçalo - o santo violeiro.

Você pode estar junto nesta luta

Fórum é um dos meios de comunicação mais importantes da história da mídia alternativa brasileira e latino-americana. Fazemos jornalismo há 20 anos com compromisso social. Nascemos no Fórum Social Mundial de 2001. Somos parte da resistência contra o neoliberalismo. Você pode fazer parte desta história apoiando nosso jornalismo.

APOIAR