Influenciadora é acusada de racismo após associar mau cheiro à pele negra

Após a repercussão, ela pediu desculpas. "Não sou essa pessoa racista. Eu amo os negros", disse

A influenciadora digital Isadora Farias, de Tubarão, em Santa Catarina, está sendo acusada de racismo nas redes sociais. Acusações ocorrem após ela gravar um vídeo em seu Instagram associando o mau cheiro à pele negra.

Em uma farmácia, ela conta que tem problemas com “cecê” – mau cheiro nas axilas – e afirmou que, para lidar com o problema, usa produtos para pele negra.

“Quem me segue há mais tempo sabe que eu tenho sério problema com ‘cecê’, eu tenho que passar desodorante bom. Inclusive às vezes eu compro de pele morena a negra porque o negócio aqui é punk”, disse ela.

Em pouco tempo, a fala repercutiu, gerando uma série de críticas e acusações de racismo. “A fala dessa influencer diz muito sobre o pensamento da branquitude racista, NEGROS FEDEM, essa não é a primeira vez que ouço isso e infelizmente não será a última”, lamentou o perfil Ativismo Negro, também no Instagram.

Após a repercussão do vídeo, Isadora voltou às redes sociais para se desculpar. Como argumento, ela alega não ser uma pessoa racista e diz “amar os negros”.

“Antes de falar qualquer coisa eu quero pedir perdão, que é mais do que desculpas, pra todas as pessoas que se sentiram ofendidas com aquilo que eu falei. Eu não sou essa pessoa racista, eu amo os negros, eu amo todas as pessoas e trato as pessoas com igualdade. Quem me conhece sabe, quem me segue e me conhece pessoalmente sabe da minha conduta, do meu caráter, das minhas crenças e eu jamais falaria qualquer coisa de maneira racista ou para ofender qualquer que seja a pessoa”, disse ela, que possui cerca de 35 mil seguidores no Instagram.

Tags:

Avatar de Luisa Fragão

Luisa Fragão

Jornalista.

Você pode estar junto nesta luta

Fórum é um dos meios de comunicação mais importantes da história da mídia alternativa brasileira e latino-americana. Fazemos jornalismo há 20 anos com compromisso social. Nascemos no Fórum Social Mundial de 2001. Somos parte da resistência contra o neoliberalismo. Você pode fazer parte desta história apoiando nosso jornalismo.

APOIAR