Raiva e melancolia: comentários de “arregou” e “perdeu meu voto” dominam live de Bolsonaro

Presidente, após recuo, passou a perder prestígio entre apoiadores, que expressam sua decepção em sua tradicional live de quinta-feira; confira

Além de ter decepcionado figuras como Silas Malafaia, Allan dos Santos e Rodrigo Constantino com sua “carta de pacificação”, o presidente Jair Bolsonaro causou um misto de raiva e melancolia entre seus apoiadores.

Depois de incitar golpe, xingar ministros do Supremo Tribunal Federal (STF) e dizer que não vai cumprir decisões judiciais, o presidente viu uma contundente reação do presidente da Corte, Luiz Fux, e uma nova movimentação pelo impeachment no Congresso Nacional.

Isso o fez seguir os conselhos de Michel Temer e publicar, nesta quarta-feira (9), uma “carta de pacificação” em que diz admitiu discursos feitos “no calor do momento” e em que chegou até mesmo a elogiar o ministro Alexandre de Mores. O documento teria sido escrito pelo próprio Temer.

Trata-se de um banho de água fria para apoiadores do presidente que acreditaram em um golpe e na destituição de ministros do STF.

Horas após a divulgação do documento, Bolsonaro iniciou sua tradicional live de quinta-feira em suas redes sociais. Aberta para comentários, os bolsonaristas que antes bombardeavam a transmissão com comentários de “mito” e “eu autorizo” passaram a expressar sua indignação com o recuo do chefe do Executivo.

Os comentários que mais dominaram a transmissão foram “arregou”, “amarelou” e “perdeu meu voto”. Alguns apoiadores mais fiéis tentaram ponderar, pedindo para que os outros tenham “calma” e afirmando que confiam no presidente.

Os comentários negativos, entretanto, foram mais predominantes que os positivos.

Confira.

Publicidade
Avatar de Ivan Longo

Ivan Longo

Jornalista, editor de Política, desde 2014 na revista Fórum. Formado pela Faculdade Cásper Líbero (SP). Twitter @ivanlongo_

Você pode estar junto nesta luta

Fórum é um dos meios de comunicação mais importantes da história da mídia alternativa brasileira e latino-americana. Fazemos jornalismo há 20 anos com compromisso social. Nascemos no Fórum Social Mundial de 2001. Somos parte da resistência contra o neoliberalismo. Você pode fazer parte desta história apoiando nosso jornalismo.

APOIAR