Twitter marca postagem do Ministério da Saúde por ter “informação enganosa” sobre Covid-19

Publicação falava de tratamento precoce contra a doença, o que não tem comprovação científica; tema também levou Bolsonaro a ter tuíte marcado

A insistência do governo Jair Bolsonaro (sem partido) em propagar informações sobre a Covid-19 sem comprovação científica levou o Ministério da Saúde a ter uma publicação no Twitter marcada como tendo “informações enganosas e potencialmente prejudiciais relacionadas à Covid-19”.  O Ministério da Saúde, órgão que deveria coordenar as ações de combate à pandemia e contribuir para disseminar informações verdadeiras sobre a doença.

O tuíte do Ministério da Saúde marcado pelo Twitter (Foto Reprodução)

A postagem, da última terça-feira (12), orientava a população a procurar uma unidade de saúde para fazer tratamento precoce da Covid-19. No entanto, não há comprovação científica sobre a eficácia desse tipo de intervenção.

O texto da publicação dizia: “Para combater a Covid-19, a orientação é não esperar. Quanto mais cedo começar o tratamento, maiores as chances de recuperação. Então, fique atento! Ao apresentar sintomas da Covid-19, não espere. Procure uma unidade de saúde e solicite o tratamento precoce”.

Quem percorre o perfil do ministério encontra o selo do Twitter sobre a publicação. Ele diz que a postagem violou as regras da rede sobre a “publicação de informações enganosas e potencialmente prejudiciais relacionadas à Covid-19”. Mas a publicação não foi excluída. Clicando em cima dela, é possível vê-la. No alerta, o Twitter diz que “determinou que pode ser do interesse público que esse Tweet continue acessível”.

Veja a publicação:

Insistência

O tema tem sido insistentemente abordado por Bolsonaro e seus auxiliares. Tanto assim que o próprio presidente teve uma publicação marcada na rede na última sexta-feira (15), que versava sobre o mesmo assunto.

Nela, Bolsonaro divulga um vídeo do jornalista Alexandre Garcia defendendo o “tratamento precoce” contra a Covid-19 e deixa o link de um suposto estudo que endossaria sua tese que não encontra respaldo científico.

Desde o início da pandemia, o presidente defende que as pessoas, por precaução ou no início dos sintomas de Covid-19, usem substâncias como a cloroquina, o que vai contra as recomendações da Organização Mundial de Saúde (OMS).

Avatar de Fabíola Salani

Fabíola Salani

Graduada em Jornalismo pela Universidade Metodista de São Paulo. Trabalhou por mais de 20 anos na Folha de S. Paulo e no Metro Jornal, cobrindo cidades, economia, mobilidade, meio ambiente e política.

Em 2021, escolha a Fórum.

Fazer jornalismo comprometido com os direitos humanos e uma perspectiva de justiça social exige apoio dos leitores. Porque se depender do mercado e da publicidade oficial de governos liberais esses projetos serão eliminados. Eles têm lado e sabem muito bem quem devem apoiar.

Por isso, neste momento que você está renovando suas escolhas e está pensando em qual site apoiar, que tal escolher a Fórum?

Se fizer isso, além de garantir tranquilidade para o nosso trabalho, você terá descontos de no mínimo 50% nos cursos que já temos em nossa plataforma do Fórum Educação.

Renato Rovai
Editor da Revista Fórum

APOIAR