Usuários do Twitter cobram punição a Malafaia, que chamou vacinação em crianças de “infanticídio”

Ao associar a vacinação contra a Covid em crianças a assassinato, pastor bolsonarista destila fake news, o que fere as regras do Twitter; imunização infantil é necessária e segura

Na noite desta segunda-feira (10), a hashtag #DerrubaMalafaia foi para a lista de assuntos mais comentados do Twitter no Brasil. Isso porque usuários da rede social, incentivados pelo perfil “Desmentindo Bolsonaro”, cobram a retirada de um vídeo e punição ao pastor bolsonarista Silas Malafaia, que chamou a vacinação contra a Covid-19 em crianças de “infanticídio”.

Seguindo a narrativa de Jair Bolsonaro (PL), Malafaia postou um vídeo em que, além de associar a vacinação infantil a assassinato, afirma que não existiram casos suficientes de Covid em crianças a ponto de se necessitar de uma campanha de imunização para este público. O pastor, no entanto, omitiu que cerca de 2,5 mil crianças morreram de Covid no Brasil durante a pandemia.

“Silas Malafaia disse em seu perfil que vacinar as crianças contra a Covid-19 é um INFANTICÍDIO! Nos ajudem na tag #DerrubaMalafaia para que o @TwitterBrasil tome alguma atitude. Além disso denunciem como ofensivo, terrorismo ou outra opção”, convocou a página “Desmentindo Bolsonaro” após a postagem do pastor bolsonarista.

O Twitter, em suas regras, veda não só a divulgação de fake news, como fez Malafaia, como também possui uma política específica voltada para publicações relacionadas à Covid-19.

“Conteúdo que seja comprovadamente falso ou enganoso e que possa causar risco significativo de danos (como aumento da exposição ao vírus ou efeitos adversos sobre os sistemas de saúde pública) não pode ser compartilhado no Twitter. Isso inclui compartilhar conteúdo que induza as pessoas ao erro quanto à natureza do vírus COVID-19; eficácia e/ou segurança de medidas preventivas, tratamentos ou outras precauções para mitigar ou tratar a doença; regulamentos oficiais, restrições ou isenções relativas a orientações de saúde; ou prevalência do vírus ou risco de infecção ou morte associados à COVID-19”, diz a rede social.

Até a publicação desta matéria, o vídeo em que Malafaia chama vacinação infantil de “infanticídio” continuava no ar.

Vacina em crianças é necessária e segura

Apesar da resistência do governo Bolsonaro, o Brasil deve iniciar a vacinação contra a Covid-19 em crianças de 5 a 11 anos, com imunizante da Pfizer, neste mês de janeiro.

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) aprovou o uso da vacina da Pfizer em crianças no mês de dezembro e há a expectativa da Coronavac ser utilizada com o mesmo fim. A aprovação se deu após análise rigorosa dos técnicos da agência e seguiu os passos de outros países, como Estados Unidos, Canadá e inúmeras nações da União Europeia.

Publicidade

Em 24 de novembro do ano passado, a Organização Mundial da Saúde (OMS) emitiu um parecer em que defende a vacinação infantil. “Existem benefícios em vacinar crianças e adolescentes que vão além do direito à saúde. A vacinação diminui a transmissão de Covid nessa faixa etária e pode reduzir a transmissão de crianças e adolescentes para adultos mais velhos, o que pode ajudar a reduzir a necessidade de medidas de mitigação nas escolas”, diz o documento.

A Sociedade Brasileira de Pediatria (SBP) também defende a imunização contra a Covid em crianças de 5 a 11 anos.

Publicidade

“A menor gravidade da covid-19 em crianças quando comparada com adultos fez com que, infelizmente, houvesse uma subestimação da sua real carga neste grupo etário. Os estudos com a vacina de RNAm da Pfizer demonstraram que a doença e suas complicações são passíveis de prevenção, inclusive em adolescentes e crianças. Aumentar o universo de vacinados oferece além da proteção direta da vacina, possibilidade de redução das taxas de transmissão do vírus e das oportunidades de surgimento de variantes”, diz documento da SBP divulgado na última semana.

Notícias relacionadas

Avatar de Ivan Longo

Ivan Longo

Jornalista, editor de Política, desde 2014 na revista Fórum. Formado pela Faculdade Cásper Líbero (SP). Twitter @ivanlongo_