Bolsonaristas fazem “teatro” em Brasília contra Coronavac, a vacina chinesa contra Covid

Na "performance" do grupo aparecem pessoas interpretando o presidente chinês Xi Jinping e o governador de São Paulo, João Doria; assista

Dois dias depois de ganhar destaque nas redes um vídeo em que apoiadores do presidente Jair Bolsonaro queimavam máscaras de proteção, começou a circular nesta quinta-feira (29) uma gravação de uma performance realizada por bolsonaristas contra a vacina desenvolvida pela farmacêutica chinesa Sinovac contra a Covid-19, a Coronavac.

O vídeo mostra um grupo de bolsonaristas com camisas verde e amarelas correndo em direção ao Palácio do Alvorada fugindo de do presidente chinês Xi Jiping e do governador de São Paulo, João Doria. O chefe de Estado chinês segura uma dose da Coronavac – chamada de “vachina” pelos manifestantes.

“Vacina obrigatória não! O povo correndo, pedindo socorro ao nosso presidente. Xi Jiping, Doria. Doria querendo obrigar o povo a tomar vacina. O povo diz não”, diz a “narradora” do teatrinho bolsonarista.

O grupo ainda convoca uma manifestação nacional contra a vacinação, no dia 1º de novembro.

Médicos apoiadores do presidente lançaram um manifesto na quarta-feira contra o imunizante do laboratório chinês, produzido em parceria com o Instituto Butantã. Eles, inclusive, teriam incluído na carta nomes que não haviam sido consultados. Bolsonaro e Doria tem tido atritos públicos em razão da vacina, que resvalaram até mesmo no ministro Eduardo Pazuello, da Saúde.

Assista:

Avatar de Lucas Rocha

Lucas Rocha

Lucas Rocha é formado em jornalismo pela Escola de Comunicação da UFRJ e cursa mestrado em Políticas Públicas na FLACSO Brasil. Carioca, apaixonado por carnaval e pela América Latina, é repórter da sucursal do Rio de Janeiro da Revista Fórum e apresentador do programa Fórum Global

Você pode estar junto nesta luta

Fórum é um dos meios de comunicação mais importantes da história da mídia alternativa brasileira e latino-americana. Fazemos jornalismo há 20 anos com compromisso social. Nascemos no Fórum Social Mundial de 2001. Somos parte da resistência contra o neoliberalismo. Você pode fazer parte desta história apoiando nosso jornalismo.

APOIAR