Vídeo mostra Praça da Sé cercada de barracas de moradores em situação de rua

Postado em resposta a tuíte de Bolsonaro, narrador ainda afirma: “Cuba e Venezuela não querem virar Brasil”

Vídeo postado nas redes nesta sexta-feira (17), em resposta a tuíte do presidente Jair Bolsonaro (Sem Partido), mostra a Praça da Sé, no centro de São Paulo, cercada por barracadas de moradores em situação de rua.

O narrador do vídeo afirma: “eu queria saber exatamente em que país esses bolsominions habitam, porque isso aqui não é Cuba nem Venezuela não. Isso aqui é São Paulo, Praça da Sé”, afirma. “Pessoas estão morando em barracas. Graça ainda tem deles que tem barracas. A imensa maioria dormindo no chão”.

Uma correria de pessoas aparece ao fundo e o narrador explica: “elas estão correndo pra pegar uma marmita que um pessoal do movimento social entrega todo dia”.

“Então eu queria que eles tivessem a coragem de dizer exatamente em que país eles vivem. Porque isso aqui pra virar Cuba e Venezuela eu acho que vai demorar muito. Cuba e Venezuela não querem virar Brasil, essa é a realidade”, encerra.

Aumento crescente

De acordo com pessoas que trabalham no acolhimento, já que não há um novo censo, o número de pessoas que dormem nas ruas na capital paulista cresceu durante a pandemia.

Além disso, levantamentos passados do poder público já vinham mostrando uma tendência de aumento.

Há 20 anos, cerca de 9 mil pessoas viviam na rua na cidade de São Paulo. Dez anos depois, esse número subiu para 14 mil. Em 2015, eram quase 16 mil. No último Censo, feito em 2019, eram 24.344 moradores de rua na capital.

Avatar de Julinho Bittencourt

Julinho Bittencourt

Jornalista, editor de Cultura da Fórum, cantor, compositor e violeiro com vários discos gravados, torcedor do Peixe, autor de peças e trilhas de teatro, ateu e devoto de São Gonçalo - o santo violeiro.

Você pode estar junto nesta luta

Fórum é um dos meios de comunicação mais importantes da história da mídia alternativa brasileira e latino-americana. Fazemos jornalismo há 20 anos com compromisso social. Nascemos no Fórum Social Mundial de 2001. Somos parte da resistência contra o neoliberalismo. Você pode fazer parte desta história apoiando nosso jornalismo.

APOIAR