Vídeo: Negacionistas espalham fake news sobre “microchips magnéticos” em vacina contra Covid-19

Em vídeo que viralizou nas redes, mulher prende celular no braço dos pais idosos. Médico fez alerta sobre informação falsa

Circulam nas redes sociais vídeos de pessoas difundindo a fake news negacionista de que as vacinas contra Covid-19 possuem “partículas magnéticas” e “microchips”. Em uma das gravações que viralizou nas redes, uma mulher fixa o celular no braço dos pais, que são idosos.

“É suspeito… Ou seja, a vacina vem com microchips e são magnéticos”, diz a mulher no vídeo. Vacinas, no entanto, não possuem qualquer nanopartícula ou ingrediente com propriedades magnéticas.

Em outras gravações, pessoas aparecem grudando ao corpo pequenos objetos, como chaves, moedas e grampos de cabelo presos. Contudo, a própria oleosidade ou umidade da pele pode causar a aderência, conforme explicado pelo médico Ricardo Parolin.

Segundo informações do Tilt, do UOL, o biochip é, de fato, implantado por uma agulha. Contudo, requer uma com um diâmetro maior do que o de vacina. Além disso, um chip tem mais ou menos o tamanho de um grão de arroz, então conseguiria ser visto dentro da seringa.

Por conta das fake news, o governo de São Paulo teve de fazer uma postagem explicando que os vídeos são falsos, para evitar que a população deixe de vacinar.

“De acordo com especialistas, conseguir atração forte o suficiente para segurar um objeto na pele requereria grandes quantidades de uma substância magnética no líquido da injeção, e isso alteraria cor e densidade do líquido”, explica o texto.

“Todas as vacinas incluídas no Programa Nacional de Imunizações (PNI) são seguras, foram amplamente testadas, tiveram seus resultados publicados e foram aprovadas pela Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária)”, completa.

Avatar de Luisa Fragão

Luisa Fragão

Jornalista.

Você pode estar junto nesta luta

Fórum é um dos meios de comunicação mais importantes da história da mídia alternativa brasileira e latino-americana. Fazemos jornalismo há 20 anos com compromisso social. Nascemos no Fórum Social Mundial de 2001. Somos parte da resistência contra o neoliberalismo. Você pode fazer parte desta história apoiando nosso jornalismo.

APOIAR