Blogs

01 de junho de 2018, 21h13

Respeitosamente, Pedro Parente

O único compromisso de Pedro Parente com o bem público sempre foi o de vendê-lo. O que, aliás, justiça seja feita, revela-se na sinceridade de uma de suas frases soltas, na carta de demissão: “O que prometi, foi entregue”.

“Quando Vossa Excelência me estendeu o honroso convite (…)”.

Assim começa a carta de demissão de Pedro Parente, no estilo barroco-mercantilista que está entranhado nos modos dos tecnocratas fabricados pelo mercado. Revela certo saudosismo elitista, dos tempos em que a ocupação da máquina pública não sofria interferências por parte do populacho, na República Velha e, mais adiante, na ditadura militar.

Esses tempos que voltaram.

Até o mais desligado dos frentistas sabe que Parente foi demitido para servir de boi de piranha para um governo fraco, incapaz e desmoralizado por uma crise muito maior do que a da greve dos caminhoneiros: a de representatividade política e social.

Dentro desse rito de exoneração, Parente argumentou que seus acertos “vão muito além da política de preços”, uma visão economicista clássica sobre a função da coisa pública, a armadilha neoliberal que aplica a lógica privada em detrimento do valor social das estatais. Assim, o serviço do Estado ao contribuinte é substituído pelo universo positivo das planilhas de administração.

Veja também:  Rodrigo Maia abre guerra contra Bolsonaro e diz que Câmara deve derrubar decreto das armas

Parente afirma, na carta, que poucos – creio, além dele – conseguem enxergar o fato de que a política de preços da Petrobras reflete “choques que alcançaram a economia global”, o que quer dizer exatamente o que parece: nada.

Demissionário sob coação, Parente demonstra está metido em um paradoxo ideológico. “Meu compromisso é com o bem público”, escreve, logo ele, figurinha marcada desde a era de privatizações dos governos Fernando Henrique Cardoso, de quem foi companheiro fiel.

O único compromisso de Pedro Parente com o bem público sempre foi o de vendê-lo. O que, aliás, justiça seja feita, revela-se na sinceridade de uma de suas frases soltas, na carta de demissão: “O que prometi, foi entregue”.

Nem tudo, felizmente.

Por fim, Parente agradece, pela ordem: ao Conselho de Administração, aos colegas da Diretoria Executiva, à equipe de apoio direto (seja lá o que isso signifique), aos demais gestores da empresa, e a “toda força de trabalho” da Petrobras.

Não consegue usar as palavras “trabalhadores e trabalhadoras”, o que não é só mesquinho. É ridículo.

Veja também:  No programa do Ratinho, Moro tenta amenizar embate com a Câmara por pacote anticrime

Você pode fazer o jornalismo da Fórum ser cada vez melhor

A Fórum nunca foi tão lida como atualmente. Ao mesmo tempo nunca publicou tanto conteúdo original e trabalhou com tantos colaboradores e colunistas. Ou seja, nossos recordes mensais de audiência são frutos de um enorme esforço para fazer um jornalismo posicionado a favor dos direitos, da democracia e dos movimentos sociais, mas que não seja panfletário e de baixa qualidade. Prezamos nossa credibilidade. Mesmo com todo esse sucesso não estamos satisfeitos.

Queremos melhorar nossa qualidade editorial e alcançar cada vez mais gente. Para isso precisamos de um número maior de sócios, que é a forma que encontramos para bancar parte do nosso projeto. Sócios já recebem uma newsletter exclusiva todas as manhãs e em julho terão uma área exclusiva.

Fique sócio e faça parte desta caminhada para que ela se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie a Fórum