Fórumcast, o podcast da Fórum
09 de fevereiro de 2012, 09h24

Hip-hop piauiense, Encontro no Semi-Árido e dicionário de Economia Solidária

Por Brunna Rosa

 

 

  

Hip-hop piauiense produzindo economia solidária
Mano Robson, Etnailem, Preta Iaiá, Esan e D’Esquina são alguns dos grupos que fazem parte do Projeto Hip-Hop Arte – Produzindo Identidade, que se utiliza da originalidade, irreverência e musicalidade para pensar e criar ferramentas que gerem autonomia e autogestão, não só para os integrantes do movimento hip-hop, mas também para os simpatizantes. “Gerar renda não é o único objetivo, na verdade queremos mostrar as ferramentas necessárias para que isso aconteça”, explica Gil Ferreira, um dos coordenadores. Segundo ele, o projeto tem estreitas ligações com a economia solidária. “Somos do Fórum Estadual de Economia Solidária e participamos do Ecosol. Realizamos reuniões diretamente com os grupos, pois cada um tem uma especificidade do seu trabalho, orientando estes grupos para que saiam da informalidade e formem companhias, cooperativas”, explica Gil.
O projeto já mapeou 30 iniciativas que integram a cultura hip-hop de Teresina e alcança cerca de 250 jovens. Entre eles, grupos de rap, de break, dance, grafiteiros e pequenos produtores de roupas especializados em moda street. Os grupos, ao serem mapeados e contatados, passam pelo processo de fortalecimento técnico, político e solidário via palestras, consultorias e oficinas em diversos temas, como economia solidária e cooperativismo. “O projeto vem dando aos jovens meios viáveis de produzir e escoar sua produção cultural, pois o projeto trabalha para viabilizar intercâmbios nacionais e internacionais que possibilitem colocar a cultura hip-hop do Piauí num patamar de destaque no cenário nacional”, explica Lamartine Silva, um dos gestores do projeto.
Um dos exemplos concretos que mostram o quanto o projeto já contribuiu é a formação da grife Mucambu, uma marca de roupas street que atualmente vem distribuindo seus produtos para vários lugares no Brasil. Proposto e executado pela Associação Piauiense de Hip-Hop e Juventude Periférica, o projeto tem patrocínio da Petrobras, além de ser um também ponto de cultura.
Saiba mais sobre o projeto na página eletrônica www.hiphoparte.com.br ou entre em contato pelo telefone: (86) 8827-8256.

Foto: Gleiceani NogueiraASACom
Encontro no Semi-Árido pede Território Livre de Transgênicos e sementes como patrimônio da humanidade
A Carta Política do I Encontro de Sementes do Semi-Árido Brasileiro, promovido pela Articulação no Semi-Árido Brasileiro (ASA) e pela Articulação Nacional de Agroecologia (ANA), realizado em Campina Grande (PB), destaca a experiência dos 450 bancos ou casas de sementes comunitárias e pede que as sementes chamadas de tradicionais ou nativas sejam consideradas patrimônio da humanidade.
Segundo a declaração, as sementes locais são diferenciadas e possuem vantagens em relação às condições de plantio e adaptação, se comparadas com as transgênicas, além de serem “heranças deixadas pelos antepassados”. Justamente por isso, conservar as sementes é “um importante serviço que a agricultura familiar no Semi-Árido tem prestado para a segurança alimentar da sociedade e para a autonomia tecnológica de nossa agricultura”.
A Carta ainda propõe que o Semi-Árido seja considerado um Território Livre de Transgênicos. E identifica que os programas governamentais de distribuição de sementes têm causado a perda da diversidade das sementes adaptadas às condições climáticas da região, uma vez que não respeitam e não reconhecem as sementes locais, distribuindo poucas variedades – não-adaptadas e produzidas por empresas privadas em regiões ecológicas bem diferentes do Semi-Árido.
A íntegra da carta pode ser acessada no site da revista Fórum

Dicionário Internacional da Outra Economia ganha versão em português
Traduzido a partir do Dictionnaire de l’autre économie, o Dicionário Internacional da Outra Economia ganhou uma versão em português. Sob coordenação de Antonio David Cattani, Jean-Louis Laville, Luiz Inácio Gaiger e Pedro Hespanha, a obra apresenta verbetes com os conceitos e as teorias principais sobre as alternativas à economia capitalista. Abrange os fundamentos econômicos e suas modalidades, além dos marcos históricos do pensamento alternativo e temas específicos como autogestão, bens públicos mundiais, comércio justo, economia feminista, redes sociais e solidariedade.
Para baixar o dicionário, acesse a página eletrônica da revista Fórum


Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum

#tags