No rastro do crime ambiental nas praias do Nordeste
09 de fevereiro de 2012, 14h00

Editorial – As tragédias não deveriam deixar apenas marcas

Tragédias como a vivida pelo Japão no último mês não podem ser compreendidas apenas a partir dos seus resultados diretos. Não basta contar os mortos e fazer o balanço dos desafios econômicos que o país vai ter de se impor para retomar seu percurso.

Por Revista Fórum

 

Tragédias como a vivida pelo Japão no último mês não podem ser compreendidas apenas a partir dos seus resultados diretos. Não basta contar os mortos e fazer o balanço dos desafios econômicos que o país vai ter de se impor para retomar seu percurso. É preciso ir além. Fazer o que os EUA, por exemplo, não foram capazes após o 11 de setembro de 2001. E não só este país como o mundo estão pagando o preço disso.

É evidente que são tragédias diferentes. Uma tem componente natural, outra não. Mas talvez o Japão e os EUA sejam ícones de modelos que precisam ser debatidos à exaustão para que o mundo se transforme.

O país americano é quase um quartel-general. Lá se pensa o planeta a partir das relações bélicas. E da dominação. Não há respeito aos recursos naturais ou minerais, que a pátria de Bush e Obama pensa sempre em se adonar.

O Japão também é um país imperialista, mas nos últimos tempos, muito por conta das imposições aos derrotados da II Guerra Mundial, apostou em se tornar um grande centro de produção e também de consumo. E se tornou um grande, gastando toda a energia possível para alavancar seu desenvolvimento.

Não é à toa que um terço da produção de energia do Japão provém de usinas nucleares, mesmo o país estando encravado em uma região onde historicamente há terremotos. Para dar conta da lógica capitalista que se impôs, o país precisa produzir muito, tornar obsoleto o que ainda é novo e desperdiçar o que for possível.

Esta edição da Fórum debate a tragédia japonesa também a partir desta perspectiva. Qual é o modelo de desenvolvimento que precisamos para ter uma vida compatível com as possibilidades do planeta?

A entrevista com Ricardo Abramovay é bastante elucidativa neste sentido. Merece ser lida, mas não somente isso. Merece ser pensada. Enquanto mulheres e homens não se derem conta de que as nossas tragédias não são apenas destino, vai ser muito difícil melhorar nossa condição de vida. E evitar outras tantas tragédias previsíveis.


Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum