Imprensa livre e independente
08 de fevereiro de 2018, 11h32

Rodrigo Abel: O velho discurso do novo

O movimento RenovaBR indica uma repaginação de um dos polos existentes, mais ligado ao extremo oposto à esquerda, o que significa dizer que numa perspectiva de futuro, as elites, como sempre, já estão um passo à frente.

O movimento RenovaBR indica uma repaginação de um dos polos existentes, mais ligado ao extremo oposto à esquerda, o que significa dizer que numa perspectiva de futuro, as elites, como sempre, já estão um passo à frente. Por Rodrigo Abel* Na semana que passou, foi lançada a plataforma do RenovaBR, uma espécie de “think tank” – laboratório de ideias, que incubou quase uma centena de lideranças políticas, econômicas, regionais e sociais do Brasil, sob o mantra de criar e acelerar uma nova geração de políticos para disputar as eleições proporcionais de 2018. Durante alguns dias me dediquei a tentar compreender...

O movimento RenovaBR indica uma repaginação de um dos polos existentes, mais ligado ao extremo oposto à esquerda, o que significa dizer que numa perspectiva de futuro, as elites, como sempre, já estão um passo à frente.

Por Rodrigo Abel*

Na semana que passou, foi lançada a plataforma do RenovaBR, uma espécie de “think tank” – laboratório de ideias, que incubou quase uma centena de lideranças políticas, econômicas, regionais e sociais do Brasil, sob o mantra de criar e acelerar uma nova geração de políticos para disputar as eleições proporcionais de 2018.

Durante alguns dias me dediquei a tentar compreender com mais profundidade este movimento político, o qual se dividirá a partir de agora – ou não, pela sopa de letrinhas dos partidos políticos existentes no sistema eleitoral brasileiro.

O centro das minhas observações parte da afirmação do próprio movimento, publicada em sua página na internet: “O RenovaBR foi criado em outubro de 2017 com o propósito de acelerar novas lideranças políticas e renovar o nosso Congresso Nacional. Somos um projeto criado pela sociedade, para a sociedade. Não somos um partido político e nunca vamos ser. Somos uma grande mesa de centro”. (www.renovabr.org)

Ao se propor ser um instrumento político do centro, este movimento nos permite lançar algumas questões para a livre reflexão.

Veja também:  "Sumamente preocupantes", diz relator da ONU sobre conversas de Moro e Dallagnol na Vaza Jato

O centro político na história recente da democracia liberal – pós-segunda grande guerra, sempre operou em função da díade direita e esquerda, hora pendendo pra um lado, hora pendendo pra outro. Este lugar de desejo, além de ser o “grande” objetivo eleitoral na democracia liberal, também é a residência do censo comum médio da cidadania, uma espécie de ponto “G” do pensamento nacional – quem o seduz é o provável vencedor em qualquer eleição.

Este lugar centro, programado para ser o ponto de chegada do movimento RenovaBR, não poderia ser diferente, e nos leva a perceber com certa facilidade a velha triangulação entre as agendas ditas de esquerda e direita, tática usada e reusada pelos democratas e por Dick Morris – estrategista de Bill Clinton, nas eleições norte-americanas e descrita com maestria pelo italiano Noberto Bobbio, em “Direita e Esquerda”, Ed. Unesp, 1994. Esta triangulação fica evidente a partir das discussões entabuladas pelo RenovaBR sobre gênero, direitos sociais, liberdades, meritocracia e gestão de resultados.

O constructo deste movimento, assim como sua genética, parte da negação dos extremos – direita e esquerda, e da tentativa de romper somando as linhas divisórias imaginárias que historicamente separaram estes ditos antagônicos. E o faz a partir de um diagnóstico de sociedade e de país que opera no censo comum, afirmando por um lado a inviabilidade do sistema político atual, e por outro, reiterando a ineficiência do Estado em prover seus serviços mais elementares – saúde, educação e segurança.

Veja também:  Movimento Nacional de Direitos Humanos repudia prisão de lideranças que lutam pelo direito à moradia

O pano de fundo que organiza e alimenta esse diagnóstico é extremamente tradicional, e se resume ao velho discurso de que tudo é culpa da corrupção e do tamanho do Estado. É desta incompleta reflexão que o movimento RenovaBR se dispõe em construir sua aura e sua identidade de novidade política para enfrentar as eleições de 2018.

O que parece estar em jogo nesta perigosa dialética de disputa por uma nova hegemonia de pensamento, é que a negação do velho e a justa luta contra corrupção omitem o lugar de chegada, o centro de tudo: o Estado.

Se a hipótese aqui colocada possui algum grau de assertividade, significa dizer que o movimento RenovaBR está propondo construir uma renovação política não desprovida de unidade – forma e conteúdo, tão própria do centro, conforme Norbeto Bobbio expôs em sua obra, mas sim de um novo polo gravitacional, recheado de conteúdo e de estratégia hegemônica.

É fato que a conformação de um novo campo político proverá o surgimento de um antagônico, e nisso não há nada de novo na ciência política. Voltaremos, portanto, à velha intrincada teoria de Karl Schmitt, onde a política somente existe na medida em que há um inimigo a ser combatido.

Veja também:  Sessão solene em homenagem aos 50 anos de Stonewall contará com a presença da cantora Daniela Mercury

O que fica claro é que o movimento RenovaBR indica uma repaginação de um dos polos existentes – mais ligado ao extremo oposto à esquerda, o que significa dizer que numa perspectiva de futuro, as elites –  ainda que haja pessoas ali que não se classificam assim, como sempre, já estão um passo à frente.

*Rodrigo Abel é membro da Comissão Brasileira sobre Drogas e Democracia e mestrando em Sociologia e Política pelo IUPERJ

Foto: Reprodução

 

Você pode fazer o jornalismo da Fórum ser cada vez melhor

A Fórum nunca foi tão lida como atualmente. Ao mesmo tempo nunca publicou tanto conteúdo original e trabalhou com tantos colaboradores e colunistas. Ou seja, nossos recordes mensais de audiência são frutos de um enorme esforço para fazer um jornalismo posicionado a favor dos direitos, da democracia e dos movimentos sociais, mas que não seja panfletário e de baixa qualidade. Prezamos nossa credibilidade. Mesmo com todo esse sucesso não estamos satisfeitos.

Queremos melhorar nossa qualidade editorial e alcançar cada vez mais gente. Para isso precisamos de um número maior de sócios, que é a forma que encontramos para bancar parte do nosso projeto. Sócios já recebem uma newsletter exclusiva todas as manhãs e em julho terão uma área exclusiva.

Fique sócio e faça parte desta caminhada para que ela se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie a Fórum