Imprensa livre e independente
14 de novembro de 2018, 09h13

Rodrigo Janot elogia pelo Twitter o livro “Fascismo – Um Alerta”, de Madeleine Albright

O livro inicia-se com uma citação do escritor Primo Levi: "Todas as épocas têm o seu fascismo"

Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil
O ex-Procurador-Geral da República de 2013 a 2017, Rodrigo Janot, está entusiasmado com o livro Fascismo – Um Alerta, da ex-Secretária de Estado dos EUA e professora universitária Madeleine Albright. Janot tuitou a capa do livro, que foi publicado pela primeira vez, em 2018, nos EUA. Logo em seguida, citou um trecho: Um facista é alguém que diz falar por uma nação ou um grupo, não se preocupa com os direitos dos outros e está sempre disposto a usar de violência ou qq outros meios necessários para atingir seus objetivos. M. Albright – livro excelente — Rodrigo Janot (@Rodrigo_Janot) 14 de novembro de...

O ex-Procurador-Geral da República de 2013 a 2017, Rodrigo Janot, está entusiasmado com o livro Fascismo – Um Alerta, da ex-Secretária de Estado dos EUA e professora universitária Madeleine Albright.

Janot tuitou a capa do livro, que foi publicado pela primeira vez, em 2018, nos EUA. Logo em seguida, citou um trecho:

“Um fascista é alguém que diz falar por uma nação ou um grupo, não se preocupa com os direitos dos outros e está sempre disposto a usar de violência ou quaisquer outros meios necessários para atingir seus objetivos. M. Albright – livro excelente”.

“Todas as épocas têm o seu fascismo”

Veja também:  Comissão do Senado chama Dallagnol para explicar conteúdo do Vaza Jato

O livro inicia-se com uma citação do escritor Primo Levi: “Todas as épocas têm o seu fascismo”, e é dedicado pela autora “Às vítimas do fascismo no passado como no presente e a todos os que combatem o fascismo nos outros e em si próprios”.

Madeleine Albright nasceu na Checoslováquia. Ela é filha de Josef Korbel, um diplomata judeu, que fugiu com a família do país depois da ocupação nazista em 1939, encaminhando-se para Londres, onde viveu com uma das avós. Durante grande parte da sua vida acreditou que a sua família fugira por motivos políticos, mas em 1997 conheceu a verdadeira razão: a sua família era judaica, tendo mesmo três de seus avós falecido em campos de concentração nazistas.

Fórum precisa ter um jornalista em Brasília em 2019. Será que você não pode nos ajudar nisso? Clique aqui e saiba mais

Você pode fazer o jornalismo da Fórum ser cada vez melhor

A Fórum nunca foi tão lida como atualmente. Ao mesmo tempo nunca publicou tanto conteúdo original e trabalhou com tantos colaboradores e colunistas. Ou seja, nossos recordes mensais de audiência são frutos de um enorme esforço para fazer um jornalismo posicionado a favor dos direitos, da democracia e dos movimentos sociais, mas que não seja panfletário e de baixa qualidade. Prezamos nossa credibilidade. Mesmo com todo esse sucesso não estamos satisfeitos.

Queremos melhorar nossa qualidade editorial e alcançar cada vez mais gente. Para isso precisamos de um número maior de sócios, que é a forma que encontramos para bancar parte do nosso projeto. Sócios já recebem uma newsletter exclusiva todas as manhãs e em julho terão uma área exclusiva.

Fique sócio e faça parte desta caminhada para que ela se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie a Fórum