Imprensa livre e independente
24 de junho de 2019, 12h13

Rodrigo Maia abre guerra contra Bolsonaro e diz que Câmara deve derrubar decreto das armas

"Tudo aquilo que não seja constitucional não é nem correto que o Congresso aceite", disparou Maia contra o decreto de armas de Bolsonaro

Bolsonaro e Rodrigo Maia (Arquivo)
O presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), disse nesta segunda-feira (24) que o decreto de armas, derrubado no  Senado, também cairá entre os deputados. Para ele há pontos inconstitucionais que o Congresso não pode aceitar. Inscreva-se no nosso Canal do YouTube, ative o sininho e passe a assistir ao nosso conteúdo exclusivo “Tudo aquilo que não seja constitucional não é nem correto que o Congresso aceite”, disparou Maia, que criticou na sexta-feira (21) o fato da agenda de Bolsonaro ser muito “voltada para nichos”. O deputado, no entanto, considerou que há pontos que podem ser votados em forma de projeto...

O presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), disse nesta segunda-feira (24) que o decreto de armas, derrubado no  Senado, também cairá entre os deputados. Para ele há pontos inconstitucionais que o Congresso não pode aceitar.

Inscreva-se no nosso Canal do YouTube, ative o sininho e passe a assistir ao nosso conteúdo exclusivo

“Tudo aquilo que não seja constitucional não é nem correto que o Congresso aceite”, disparou Maia, que criticou na sexta-feira (21) o fato da agenda de Bolsonaro ser muito “voltada para nichos”.

O deputado, no entanto, considerou que há pontos que podem ser votados em forma de projeto de lei. “Depois da decisão do Senado de derrubar o decreto de armas, na minha opinião esse pode ser o caminho da Câmara [a derrubada]. Mas nós entendemos sob a liderança dele [o presidente do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP)] que existem alguns pontos que são constitucionais e precisam ser tratados por lei”, afirmou.

Veja também:  Em viagem oficial Bolsonaro apresenta o filho Renan como “embaixador mirim”

Você pode fazer o jornalismo da Fórum ser cada vez melhor

A Fórum nunca foi tão lida como atualmente. Ao mesmo tempo nunca publicou tanto conteúdo original e trabalhou com tantos colaboradores e colunistas. Ou seja, nossos recordes mensais de audiência são frutos de um enorme esforço para fazer um jornalismo posicionado a favor dos direitos, da democracia e dos movimentos sociais, mas que não seja panfletário e de baixa qualidade. Prezamos nossa credibilidade. Mesmo com todo esse sucesso não estamos satisfeitos.

Queremos melhorar nossa qualidade editorial e alcançar cada vez mais gente. Para isso precisamos de um número maior de sócios, que é a forma que encontramos para bancar parte do nosso projeto. Sócios já recebem uma newsletter exclusiva todas as manhãs e em julho terão uma área exclusiva.

Fique sócio e faça parte desta caminhada para que ela se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie a Fórum