Imprensa livre e independente
13 de julho de 2019, 15h57

Rompimento de barragem no interior da Bahia deixou 150 famílias desabrigadas e afetou outras 500

A Defesa Civil interditou 32 casas, na manhã deste sábado (13) na cidade de Coronel João Sá, a mais afetada pelo rompimento da barragem

Inundação após o rompimento da barragem Quati (Divulgação/Corpo de Bombeiros de Paulo Afonso)
O rompimento da barragem Quati, localizada em Pedro Alexandre (BA), deixou 150 famílias desabrigadas e afetou outras 500 no interior da Bahia. O número corresponde aos moradores do município de Coronel João Sá, o mais atingido pela inundação. O equipamento se rompeu parcialmente na quinta-feira (11) e alagou diversas casas nas duas cidades. Inscreva-se no nosso Canal do YouTube, ative o sininho e passe a assistir ao nosso conteúdo exclusivo Até a noite de sexta-feira (12), eram 328 famílias prejudicadas. “Até o momento temos 150 famílias desabrigadas e 500 afetadas. As 350 são aquelas que não necessariamente estão desalojadas, mas...

O rompimento da barragem Quati, localizada em Pedro Alexandre (BA), deixou 150 famílias desabrigadas e afetou outras 500 no interior da Bahia. O número corresponde aos moradores do município de Coronel João Sá, o mais atingido pela inundação. O equipamento se rompeu parcialmente na quinta-feira (11) e alagou diversas casas nas duas cidades.

Inscreva-se no nosso Canal do YouTube, ative o sininho e passe a assistir ao nosso conteúdo exclusivo

Até a noite de sexta-feira (12), eram 328 famílias prejudicadas. “Até o momento temos 150 famílias desabrigadas e 500 afetadas. As 350 são aquelas que não necessariamente estão desalojadas, mas que de alguma forma sofreram algum dano com o rompimento”, contou o prefeito de Cel. João Sá, Carlos Sobral, ao BNews.

A Defesa Civil interditou 32 casas, na manhã deste sábado (13), na cidade. Sobral disse que a prefeitura está dando suporte às pessoas que tiveram prejuízos com a inundação.

Veja também:  Em carta a UNE, Lula destaca papel da juventude na luta "contra o atraso e a opressão"

Você pode fazer o jornalismo da Fórum ser cada vez melhor

A Fórum nunca foi tão lida como atualmente. Ao mesmo tempo nunca publicou tanto conteúdo original e trabalhou com tantos colaboradores e colunistas. Ou seja, nossos recordes mensais de audiência são frutos de um enorme esforço para fazer um jornalismo posicionado a favor dos direitos, da democracia e dos movimentos sociais, mas que não seja panfletário e de baixa qualidade. Prezamos nossa credibilidade. Mesmo com todo esse sucesso não estamos satisfeitos.

Queremos melhorar nossa qualidade editorial e alcançar cada vez mais gente. Para isso precisamos de um número maior de sócios, que é a forma que encontramos para bancar parte do nosso projeto. Sócios já recebem uma newsletter exclusiva todas as manhãs e em julho terão uma área exclusiva.

Fique sócio e faça parte desta caminhada para que ela se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie a Fórum