Imprensa livre e independente
07 de março de 2016, 16h49

Secretário investigado não deve deixar o governo, diz Alckmin

Edson Aparecido é suspeito de enriquecimento ilícito por ter alegado ter comprado por 30% do valor de mercado apartamento que pertencia a empreiteiro que presta serviços para o governo paulista Daniel Mello, da Agência Brasil O governador de São Paulo, Geraldo Alckmin, negou hoje (7) que o secretário da Casa Civil, Edson Aparecido, investigado por improbidade administrativa, vá deixar o cargo. “Eu não tenho nenhuma proposta de fazer reforma no secretariado”, disse o governador, ao ser perguntado sobre a possibilidade. Na última segunda-feira (29), o Ministério Público de São Paulo (MPSP) abriu inquérito para apurar a compra de um apartamento...

Edson Aparecido é suspeito de enriquecimento ilícito por ter alegado ter comprado por 30% do valor de mercado apartamento que pertencia a empreiteiro que presta serviços para o governo paulista

Daniel Mello, da Agência Brasil

O governador de São Paulo, Geraldo Alckmin, negou hoje (7) que o secretário da Casa Civil, Edson Aparecido, investigado por improbidade administrativa, vá deixar o cargo. “Eu não tenho nenhuma proposta de fazer reforma no secretariado”, disse o governador, ao ser perguntado sobre a possibilidade.

Na última segunda-feira (29), o Ministério Público de São Paulo (MPSP) abriu inquérito para apurar a compra de um apartamento por Edson Aparecido. O promotor Marcelo Milani decidiu começar a investigação após reportagem do portal UOL informar que o secretário comprara um imóvel por um terço do valor de mercado. Segundo o texto, o apartamento, localizado na zonal sul paulistana, vale cerca de R$ 2 milhões, mas foi adquirido por R$ 602 mil.

Milani destacou que o proprietário do imóvel, Luiz Alberto Kamilos, também é dono da Construtora Kamilos. De acordo com o promotor, a empresa foi “contratada pelo estado de São Paulo para a execução de vultosas obras públicas”. Para Milani, o caso gerou suspeitas sobre a “possível incompatibilidade de sua [de Edson Aparecido] remuneração pública com a sua respectiva evolução patrimonial.”

Veja também:  Merkel diz que Alemanha deve combater extrema-direita "com vigor" após assassinato

Em nota, o secretário disse que prestará todos os esclarecimentos necessários ao Ministério Público. Segundo Aparecido, o apartamento foi comprado de maneira “lícita e transparente” há mais de 10 anos, quando ele ainda não fazia parte do governo. “Tudo foi devidamente registrado nos órgãos competentes e declarado à Receita Federal e aos respectivos tribunais eleitorais. Não há nenhuma ilegalidade ou qualquer ocultação de patrimônio”, diz ainda a nota do secretário.

Você pode fazer o jornalismo da Fórum ser cada vez melhor

A Fórum nunca foi tão lida como atualmente. Ao mesmo tempo nunca publicou tanto conteúdo original e trabalhou com tantos colaboradores e colunistas. Ou seja, nossos recordes mensais de audiência são frutos de um enorme esforço para fazer um jornalismo posicionado a favor dos direitos, da democracia e dos movimentos sociais, mas que não seja panfletário e de baixa qualidade. Prezamos nossa credibilidade. Mesmo com todo esse sucesso não estamos satisfeitos.

Queremos melhorar nossa qualidade editorial e alcançar cada vez mais gente. Para isso precisamos de um número maior de sócios, que é a forma que encontramos para bancar parte do nosso projeto. Sócios já recebem uma newsletter exclusiva todas as manhãs e em julho terão uma área exclusiva.

Fique sócio e faça parte desta caminhada para que ela se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie a Fórum