Imprensa livre e independente
20 de julho de 2017, 09h38

Segundo Marcos Valério, Aécio recebia dinheiro de propina do BB desde governo FHC

Em acordo de delação que está sendo analisado pelo, STF, o publicitário Marcos Valério pode comprometer mais gravemente o senador Aécio Neves. Já disse, por exemplo, que Aécio recebia 2% dos contratos do BB com suas agências de publicidade desde os anos 90   Por Redação   O publicitário Marcos Valério, uma das figuras-chave dos escândalos conhecidos como mensalão mineiro e mensalão, está fechando novo acordo de deleção premiada, que ainda precisa ser homologado pelo Supremo Tribunal Federal, STF. Se aceito, pode comprometer ainda mais o senador Aécio Neves. Um dos principais pontos relatados nos depoimentos prévios para o acordo é...

Em acordo de delação que está sendo analisado pelo, STF, o publicitário Marcos Valério pode comprometer mais gravemente o senador Aécio Neves. Já disse, por exemplo, que Aécio recebia 2% dos contratos do BB com suas agências de publicidade desde os anos 90

 

Por Redação

 

O publicitário Marcos Valério, uma das figuras-chave dos escândalos conhecidos como mensalão mineiro e mensalão, está fechando novo acordo de deleção premiada, que ainda precisa ser homologado pelo Supremo Tribunal Federal, STF. Se aceito, pode comprometer ainda mais o senador Aécio Neves.

Um dos principais pontos relatados nos depoimentos prévios para o acordo é que suas agências de publicidade participaram do financiamento ilegal da atividade política do senador mineiro desde os anos 1990. Segundo ele, Aécio recebia 2% do faturamento bruto dos contratos do Banco do Brasil no governo de Fernando Henrique Cardoso, valores recebidos por Paulo Vasconcelos, citado como representante do senador  junto à empresa.

Outro ponto é como foram retirados da CPMI dos Correios, em 2005, documentos sobre a relação do Banco Rural com tucanos em Minas, o que já é alvo de inquérito no STF, por conta da delação do ex-senador Delcídio Amaral. A operação teria contado com a participação dos então subrelatores da CPMI Carlos Sampaio (PSDB-SP) e Eduardo Paes (à época no PSDB-RJ). Integrantes do Banco Rural teriam escondido documentos no Uruguai.

Veja também:  Por que Jair Bolsonaro não tuíta mais sobre corrupção?

Valério também diz que parte dos recursos desviados da campanha pela reeleição de Eduardo Azeredo (PSDB-MG) ao governo de Minas, no chamado mensalão mineiro, abasteceu caixa 2 da campanha de Aécio a deputado federal.

Você pode fazer o jornalismo da Fórum ser cada vez melhor

A Fórum nunca foi tão lida como atualmente. Ao mesmo tempo nunca publicou tanto conteúdo original e trabalhou com tantos colaboradores e colunistas. Ou seja, nossos recordes mensais de audiência são frutos de um enorme esforço para fazer um jornalismo posicionado a favor dos direitos, da democracia e dos movimentos sociais, mas que não seja panfletário e de baixa qualidade. Prezamos nossa credibilidade. Mesmo com todo esse sucesso não estamos satisfeitos.

Queremos melhorar nossa qualidade editorial e alcançar cada vez mais gente. Para isso precisamos de um número maior de sócios, que é a forma que encontramos para bancar parte do nosso projeto. Sócios já recebem uma newsletter exclusiva todas as manhãs e em julho terão uma área exclusiva.

Fique sócio e faça parte desta caminhada para que ela se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie a Fórum