Imprensa livre e independente
14 de abril de 2010, 17h00

Semana dos Povos Indígenas debate desafios da questão indígena na cidade

São mais de 12 mil indíos residentes em áreas urbanas e periferias, sem seus direitos indígenas assegurados.

São mais de 12 mil indíos residentes em áreas urbanas e periferias, sem seus direitos indígenas assegurados. Por Redação  Cantos e danças indígenas, feiras de artesanato, exposições de fotos e muitos debates sobre políticas públicas para os povos indígenas ocuparão as escolas públicas de Osasco nos próximos dias. Durante uma semana, grupos indígenas e o público em geral estão convidados a debater sobre a inclusão cidadã dos Pankararé e conhecer sua cultura durante a Semana dos Povos Indígenas. Há anos os Pankararé migraram para a periferia da cidade e reivindicam do poder público políticas específicas para o grupo. Os Pankararé...

São mais de 12 mil indíos residentes em áreas urbanas e periferias, sem seus direitos indígenas assegurados.

Por Redação 

Cantos e danças indígenas, feiras de artesanato, exposições de fotos e muitos debates sobre políticas públicas para os povos indígenas ocuparão as escolas públicas de Osasco nos próximos dias. Durante uma semana, grupos indígenas e o público em geral estão convidados a debater sobre a inclusão cidadã dos Pankararé e conhecer sua cultura durante a Semana dos Povos Indígenas.

Há anos os Pankararé migraram para a periferia da cidade e reivindicam do poder público políticas específicas para o grupo. Os Pankararé tem origem na Bahia e localizavam-se ao sul do rio São Francisco. Abaixo do rio concentravam-se os Pankararu, que também passaram por processos migratórios para as regiões sul e sudeste. Hoje os grupos localizam-se principalmente em Osasco, Itaquaquecetuba e Guaianazes, na zona leste de São Paulo.

Segundo o Centro Indigenista Missionário (Cimi), a população indígena que hoje habita as periferias da Grande São Paulo está em torno de 12 mil habitantes. Entre os problemas que enfrentam, está o reconhecimento de sua identidade indígena por parte da sociedade e dos órgãos públicos, a falta de moradia digna, o desemprego e os baixos salários, a violência, a deficiência no atendimento à saúde e educação, entre outros.

Veja também:  Em meio a recusa da corporação e tensão, PM pede namorado em casamento em SP

Os indígenas reivindicam políticas específicas para seus grupos, afirmando que seus direitos enquanto indígenas devem ser preservados. O presidente da Fundação Nacional do Índio (Funai), Márcio Meira, chegou a afirmar no Fórum Urbano Mundial, ocorrido em março, no Rio de Janeiro, que não é porque os indígenas estão na cidade que deixam de ser indígenas.

Entre os povos indígenas residentes nas periferias urbanas dos grandes centros urbanos estão: Pankararu, Pankararé, Fulni-ô, Kaingang, Terena, Wassu Cocal, Kaimbé, Xukuru, Kariri Xocó, Tupi Guarani, Guarani Mbyá, Guarani Nhandeva, Potiguara, Atikun, Kaiapo e Pataxó.

Para discutir a situação dos grupos indígenas em enclaves urbanos, o Cimi, a Pastoral Indigenista, com o apoio de espaços como o Fórum das Pastorais Sociais, as Comunidades Eclesiais de Base (CEBs), a Assembléia Popular e órgãos públicos interessados no apoio à causa indígena realizam a partir de amanhã, 15, a Semana dos Povos Indígenas. Confira abaixo a programação.

De 15 a 29 de abril de 2010
Dia 15 e 16/04 – 5ª e 6ª feira

Atividades sobre indígenas em Osasco com alunos de escolas públicas, incluindo exposição de fotos, artesanato indígena e dança tradicional.

Veja também:  Preta Ferreira, apresentadora do boletim Lula Livre, é presa em São Paulo

Local: Casa de Angola, Rua Visconde de Nova Granada, 513.
Horário: das 9h às 16h. orárHo

Dia 18/04 – Domingo

Encontro do Povo Pankararé e indígenas da Grande São Paulo com apresentações culturais, cantos, danças indígenas, exposição de fotos, comercialização de produtos indígenas e alimentação típica do Povo Pankararé.

Local: Casa de Angola, Rua Visconde de Nova Granada, 513.
Horário: das 9h às 16h.

De 19/04 a 25/04 – 2ª feira a domingo

Atividades culturais: exposição e comercialização de produtos indígenas, fotos, vídeos, danças indígenas.
Local: Osasco Plaza Shjopping – Rua Tennete Avelar Pires de Azevedo
Horário: das 10h às 22h.

Dia 20/04 – 3ª feira

Seminário: “A contribuição dos povos indígenas para a sociedade brasileira”.
Expositores: Benedito Prezia, doutor em Antropologia pela PUC-SP e autor de livros paradidáticos sobre a questão indígena; Maria Cícera de Oliveira, do Povo Pankararu e formada em Letras pela PUC-SP; Joilda Pereira da Silva, do Povo Pankararé e estudante de Pedagogia da PUC-SP.

Apresentação cultural do Povo Pankararé

Veja também:  De férias no exterior, Deltan Dallagnol não teve o celular periciado pela PF

Local: Centro de Formação dos Profissionais de Educação, na Avenida Marechal Rondon, 263, Centro.
Horário: das 19h às 21h. orárHo

Dia 22/04 – 5ª feira
Seminário: “O Povo Pankararé em Osasco: origem, trajetória e desafios das Políticas Públicas para os povos indígenas na cidade”.
Expositores: Secretaria do Desenvolvimento, Trabalho e Inclusão, Indígenas Pankararé e Cimi SP.

Local: Centro Público de Economia Solidária – ao lado da Prefeitura Municipal de Osasco.
Horário: das 9h às 13h.

Dia 29/04 – 5ª feira

Seminário: “Povos Indígenas hoje: perspectivas e desafios”.
Expositores: Benedito Prezia, doutor em Antropologia pela PUC-SP; Beatriz Catarina Maestri, mestre em Antropologia pela UFSC e agente do Conselho Indigenista Missionário (CIMI); Maria Cícera de Oliveira, do Povo Pankararu e formada em Letras pela PUC-SP.

Apresentação de dança Pankararé
Exposição e comercialização de artesanato indígena

Local: UNIFIEO Av. Franz Voegeli, 300 – Vila Yara.
Horário: das 19h às 21h

Realização: Prefeitura de Osasco, Conselho Indigenista Missionário de São Paulo e Pastoral Indigenista.
Apoio: Osasco Plaza Shopping e UNIFIEO.

*Colaboraram Vanessa Ramos e Beatriz Maestri, do Cimi SP.

Você pode fazer o jornalismo da Fórum ser cada vez melhor

A Fórum nunca foi tão lida como atualmente. Ao mesmo tempo nunca publicou tanto conteúdo original e trabalhou com tantos colaboradores e colunistas. Ou seja, nossos recordes mensais de audiência são frutos de um enorme esforço para fazer um jornalismo posicionado a favor dos direitos, da democracia e dos movimentos sociais, mas que não seja panfletário e de baixa qualidade. Prezamos nossa credibilidade. Mesmo com todo esse sucesso não estamos satisfeitos.

Queremos melhorar nossa qualidade editorial e alcançar cada vez mais gente. Para isso precisamos de um número maior de sócios, que é a forma que encontramos para bancar parte do nosso projeto. Sócios já recebem uma newsletter exclusiva todas as manhãs e em julho terão uma área exclusiva.

Fique sócio e faça parte desta caminhada para que ela se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie a Fórum