Imprensa livre e independente
16 de fevereiro de 2019, 21h04

Sirene toca em barragem da Vale e moradores são retirados de bairro em Nova Lima (MG)

Os moradores desalojados moram no distrito de São Sebastião das Águas Claras, conhecido como Macacos, a 25 quilômetros de Belo Horizonte.

Cerca de 200 pessoas foram obrigadas a deixar suas casas por precaução com barragens da Mar Azul, da Vale, em Nova Lima, na Região Metropolitana de Belo Horizonte. De acordo com a Defesa Civil, auditores que fazem a leitura atestaram instabilidade da barragem que tem aproximadamente 3 milhões de m³ de rejeito. A estrutura é semelhante às de Brumadinho e de Mariana. Os moradores desalojados moram no distrito de São Sebastião das Águas Claras, conhecido como Macacos, a 25 quilômetros de Belo Horizonte. A desocupação da área ocorreu às 20h20, quando a sirene soou. Em nota, a Vale informou que...

Cerca de 200 pessoas foram obrigadas a deixar suas casas por precaução com barragens da Mar Azul, da Vale, em Nova Lima, na Região Metropolitana de Belo Horizonte.

De acordo com a Defesa Civil, auditores que fazem a leitura atestaram instabilidade da barragem que tem aproximadamente 3 milhões de m³ de rejeito. A estrutura é semelhante às de Brumadinho e de Mariana.

Os moradores desalojados moram no distrito de São Sebastião das Águas Claras, conhecido como Macacos, a 25 quilômetros de Belo Horizonte.

A desocupação da área ocorreu às 20h20, quando a sirene soou.

Em nota, a Vale informou que “a decisão é uma medida preventiva e se dá após a revisão dos dados dos relatórios de análise de empresas especializadas contratadas para assessorar a Vale. Cabe ressaltar que a estrutura está inativa e essa iniciativa tem caráter preventivo”.

As pessoas estariam sendo acomodadas em pequenos hotéis da região

Veja também:  Tribunal mineiro condena Vale por tragédia de Brumadinho

Você pode fazer o jornalismo da Fórum ser cada vez melhor

A Fórum nunca foi tão lida como atualmente. Ao mesmo tempo nunca publicou tanto conteúdo original e trabalhou com tantos colaboradores e colunistas. Ou seja, nossos recordes mensais de audiência são frutos de um enorme esforço para fazer um jornalismo posicionado a favor dos direitos, da democracia e dos movimentos sociais, mas que não seja panfletário e de baixa qualidade. Prezamos nossa credibilidade. Mesmo com todo esse sucesso não estamos satisfeitos.

Queremos melhorar nossa qualidade editorial e alcançar cada vez mais gente. Para isso precisamos de um número maior de sócios, que é a forma que encontramos para bancar parte do nosso projeto. Sócios já recebem uma newsletter exclusiva todas as manhãs e em julho terão uma área exclusiva.

Fique sócio e faça parte desta caminhada para que ela se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie a Fórum

#tags