Imprensa livre e independente
12 de julho de 2019, 07h47

Sob comando de Ernesto Araújo, diplomacia brasileira vota com países fundamentalistas islâmicos na ONU

Entre as emendas seguidas pelo Brasil está uma proposta do Egito e Iraque que exclui a referência “ao direito à saúde sexual e reprodutiva” em resolução contra o casamento infantil e forçado

Bolsonaro e o Principe Herdeiro da Arábia Saudita, Mohammed Bin Salman (Foto: Alan Santos/PR)
Mais uma vez, a atuação do Brasil no Conselho de Direitos Humanos (CDH) na ONU gerou surpresa e irritação em países do Ocidente. Nesta quinta-feira (11), a diplomacia do governo Bolsonaro seguiu países como Arábia Saudita, Paquistão e Bahrein em votações sobre direitos sexuais e reprodutivos. Inscreva-se no nosso Canal do YouTube, ative o sininho e passe a assistir ao nosso conteúdo exclusivo Entre as emendas seguidas pelo Brasil está uma proposta do Egito e Iraque que exclui a referência “ao direito à saúde sexual e reprodutiva” em resolução contra o casamento infantil e forçado. Outra emenda apoiada pela embaixadora Maria...

Mais uma vez, a atuação do Brasil no Conselho de Direitos Humanos (CDH) na ONU gerou surpresa e irritação em países do Ocidente. Nesta quinta-feira (11), a diplomacia do governo Bolsonaro seguiu países como Arábia Saudita, Paquistão e Bahrein em votações sobre direitos sexuais e reprodutivos.

Inscreva-se no nosso Canal do YouTube, ative o sininho e passe a assistir ao nosso conteúdo exclusivo

Entre as emendas seguidas pelo Brasil está uma proposta do Egito e Iraque que exclui a referência “ao direito à saúde sexual e reprodutiva” em resolução contra o casamento infantil e forçado. Outra emenda apoiada pela embaixadora Maria Nazareth Farani Azevêdo foi movida por Bahrein e Arábia Saudita com o objetivo de enfraquecer recomendação de educação sexual – não mais recomendá-la “de acordo com a maturidade apropriada”, mas dependente de “devida orientação dos pais e guardiões legais”.

Outra alteração apoiada pelo país foi no texto de resolução sobre educação sexual, com a proposta de extinção da garantia ao “acesso universal à educação abrangente sobre sexualidade baseada em evidências”, proposta pelo Paquistão. Em todos os casos, o Brasil foi derrotado junto ao grupo de países fundamentalistas islâmicos, formado por Arábia Saudita, Egito e Paquistão.

Veja também:  Após ser agredido, padre Marcelo Rossi grava vídeo e diz que está bem: "Só umas dorzinhas"; assista

A diplomacia brasileira também causou polêmica ao se abster em votação que aprovou investigação sobre as execuções extrajudiciais e sumárias nas Filipinas. O governo de Rodrigo Duterte, que empreende uma dura política de guerra às drogas, já deixou cerca de 27 mil mortos segundo organizações de direitos humanos.

Com informações do jornal O Globo

Você pode fazer o jornalismo da Fórum ser cada vez melhor

A Fórum nunca foi tão lida como atualmente. Ao mesmo tempo nunca publicou tanto conteúdo original e trabalhou com tantos colaboradores e colunistas. Ou seja, nossos recordes mensais de audiência são frutos de um enorme esforço para fazer um jornalismo posicionado a favor dos direitos, da democracia e dos movimentos sociais, mas que não seja panfletário e de baixa qualidade. Prezamos nossa credibilidade. Mesmo com todo esse sucesso não estamos satisfeitos.

Queremos melhorar nossa qualidade editorial e alcançar cada vez mais gente. Para isso precisamos de um número maior de sócios, que é a forma que encontramos para bancar parte do nosso projeto. Sócios já recebem uma newsletter exclusiva todas as manhãs e em julho terão uma área exclusiva.

Fique sócio e faça parte desta caminhada para que ela se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie a Fórum