Imprensa livre e independente
11 de março de 2019, 18h04

Sob governo Bolsonaro, Brasil despenca no ranking de países seguros para LGBTs

O Brasil passou do 55º lugar em 2018 para o 68º em 2019 no ranking de países seguros para a população LGBT elaborado pelo site Spartacus, que leva em consideração critérios como políticas de inclusão e violência

Arquivo/Agência Brasil
O site Spartacus, de uma das maiores revistas LGBT do mundo, a Spartacus Gay Guide, divulgou na última semana o ranking 2019 de países seguros para a comunidade LGBT e apontou que, sob o governo Bolsonaro, o Brasil se tornou um país menos seguro para essa população. Do  55º lugar em 2018, o Brasil despencou 13 posições e agora figura na 68ª posição, atrás de países como Estados Unidos (39º),  Porto Rico (35°), Moçambique (41°), Cuba (47°), Costa Rica (47°) e Bolívia (41°). Em 2010, sob o governo de Dilma Rousseff, o Brasil chegou a ser o número 19 da lista....

O site Spartacus, de uma das maiores revistas LGBT do mundo, a Spartacus Gay Guide, divulgou na última semana o ranking 2019 de países seguros para a comunidade LGBT e apontou que, sob o governo Bolsonaro, o Brasil se tornou um país menos seguro para essa população.

Do  55º lugar em 2018, o Brasil despencou 13 posições e agora figura na 68ª posição, atrás de países como Estados Unidos (39º),  Porto Rico (35°), Moçambique (41°), Cuba (47°), Costa Rica (47°) e Bolívia (41°). Em 2010, sob o governo de Dilma Rousseff, o Brasil chegou a ser o número 19 da lista.

O ranking leva em consideração as políticas de inclusão para LGBTs em cada um dos países e critérios que abrangem desde leis que permitam o casamento entre pessoas do mesmo sexo até violência.

No Brasil, não há uma lei que especifique o casamento homossexual, mas a união civil entre LGBTs é permitida com base em precedentes julgados pelo Supremo Tribunal Federal (STF). A Corte, inclusive, está julgando a criminalização da homofobia. O placar está em 4 a 0 para que a discriminação contra gays seja transformada em crime de racismo.

Veja também:  “In Fux we trust”: ministro diz a colegas do STF que diálogo relatado por Deltan a Moro não existiu

A violência, no entanto, ainda representa um grande atraso do país: o Brasil é considerado um dos países que mais mata homossexuais do mundo. Um levantamento do Grupo Gay da Bahia (GGB) aponta que, em 2017, 445 lésbicas, gays, bissexuais, travestis e transexuais foram mortos em crimes motivados por homofobia. O número representa uma vítima a cada 19 horas – índice recorde desde que o monitoramento anual começou a ser elaborado pela entidade, há 38 anos.

Segundo o ranking da Spartacus, os países mais seguros para a população LGBT são Portugal, Suécia e Canadá.

Confira o ranking completo aqui.

Você pode fazer o jornalismo da Fórum ser cada vez melhor

A Fórum nunca foi tão lida como atualmente. Ao mesmo tempo nunca publicou tanto conteúdo original e trabalhou com tantos colaboradores e colunistas. Ou seja, nossos recordes mensais de audiência são frutos de um enorme esforço para fazer um jornalismo posicionado a favor dos direitos, da democracia e dos movimentos sociais, mas que não seja panfletário e de baixa qualidade. Prezamos nossa credibilidade. Mesmo com todo esse sucesso não estamos satisfeitos.

Queremos melhorar nossa qualidade editorial e alcançar cada vez mais gente. Para isso precisamos de um número maior de sócios, que é a forma que encontramos para bancar parte do nosso projeto. Sócios já recebem uma newsletter exclusiva todas as manhãs e em julho terão uma área exclusiva.

Fique sócio e faça parte desta caminhada para que ela se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie a Fórum