Imprensa livre e independente
17 de agosto de 2017, 11h06

Spotify remove de seu catálogo bandas de supremacistas brancos

A decisão do Spotify veio quatro dias após a morte de uma mulher de 32 anos, durante um protesto contra a violência fascista, em Charlottesville, no estado americano da Virgínia.

A decisão do Spotify veio quatro dias após a morte de uma mulher de 32 anos, durante um protesto contra a violência fascista, em Charlottesville, no estado americano da Virgínia. Da Redação* O Spotify, serviço de música por demanda, anunciou a remoção das músicas de bandas supremacistas brancos de seu catálogo nesta quarta-feira (16). A ação se deu após o site “Digital Music News” compilar 27 bandas dessas bandas que perpetuam mensagens de ódio e estavam disponíveis no catálogo do serviço. De acordo com um porta-voz da plataforma de streaming, o catálogo disponibilizado é proveniente de “centenas de milhares de...

A decisão do Spotify veio quatro dias após a morte de uma mulher de 32 anos, durante um protesto contra a violência fascista, em Charlottesville, no estado americano da Virgínia.

Da Redação*

O Spotify, serviço de música por demanda, anunciou a remoção das músicas de bandas supremacistas brancos de seu catálogo nesta quarta-feira (16). A ação se deu após o site “Digital Music News” compilar 27 bandas dessas bandas que perpetuam mensagens de ódio e estavam disponíveis no catálogo do serviço.

De acordo com um porta-voz da plataforma de streaming, o catálogo disponibilizado é proveniente de “centenas de milhares de gravadoras em todo o mundo”, que detêm a responsabilidade por seu conteúdo. No entanto, “conteúdos ilegais ou material que favorece o ódio ou incita a violência contra a raça, a religião, a sexualidade ou algo semelhante não é tolerado por nós”, afirmou a empresa em comunicado.

“O Spotify toma medidas imediatas para remover qualquer material assim que tenha sido trazido a nossa atenção. Estamos felizes por termos sido alertados para este conteúdo — e já removemos muitas das bandas identificadas hoje (esta quarta-feira), enquanto revisamos o resto com urgência”, completou.

Veja também:  Ligado a ruralistas, novo presidente da Funai já processou o órgão por "violação da honra"

Além de excluir artistas identificados como inapropriados por propagar o ódio, o Spotify lançou a playlist “Patriotic Passion” (Paixão Patriótica), com a justificativa de ser a “trilha sonora para um país pelo qual se vale a pena lutar”. Entre as músicas, estão “Star Spangled Banner” de Jimi Hendrix, “Living In America” de James Brown, e “Americano” de Lady Gaga.

Especialistas consultados pela “Billboard” disseram que a tarefa de decidir o que manter e o que excluir é difícil porque requer uma escuta cuidadosa para não trazer mais atenção às bandas de ódio.

Segundo o “Digital Music News”, a maioria dos grupos listados tinha poucos seguidores e contagens de audição, mas Paul Resnikoff, autor do texto, ressaltou que “na sequência dos violentos confrontos em Charlottesville, a presença de música de supremacia branca no Spotify assume uma posição diferente”. Resnikoff disse ainda que a própria ferramenta facilitou encontrar bandas similares devido a seus recursos tecnológicos.

A decisão do Spotify veio quatro dias após a morte de uma mulher de 32 anos, quando um carro dirigido por um supremacista branco atropelou uma multidão, ferindo 19 pessoas, durante um protesto contra a violência fascista, em Charlottesville, no estado americano da Virgínia.

Veja também:  Família de Dallagnol possui latifúndios no Mato Grosso; Incra pagou R$ 36,9 milhões pelas terras

*Com informações do Globo

Você pode fazer o jornalismo da Fórum ser cada vez melhor

A Fórum nunca foi tão lida como atualmente. Ao mesmo tempo nunca publicou tanto conteúdo original e trabalhou com tantos colaboradores e colunistas. Ou seja, nossos recordes mensais de audiência são frutos de um enorme esforço para fazer um jornalismo posicionado a favor dos direitos, da democracia e dos movimentos sociais, mas que não seja panfletário e de baixa qualidade. Prezamos nossa credibilidade. Mesmo com todo esse sucesso não estamos satisfeitos.

Queremos melhorar nossa qualidade editorial e alcançar cada vez mais gente. Para isso precisamos de um número maior de sócios, que é a forma que encontramos para bancar parte do nosso projeto. Sócios já recebem uma newsletter exclusiva todas as manhãs e em julho terão uma área exclusiva.

Fique sócio e faça parte desta caminhada para que ela se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie a Fórum