Imprensa livre e independente
24 de fevereiro de 2019, 20h18

Stedile diz na Venezuela que movimentos do Brasil e Colômbia estarão na fronteira em defesa dos interesses latino-americanos

Dirigente do MST comparou o que está acontecendo na Venezuela com "uma batalha da importância da Guerra Civil Espanhola"

Na Venezuela, o dirigente nacional do Movimento dos Trabalhadores Sem Terra (MST) e articulador da Via Campesina Internacional, João Pedro Stedile, afirmou que os exércitos do Brasil e da Colômbia não vão fazer nada contra o país, porque não há motivo para isso. Disse ainda que os movimentos sociais do Brasil e da Colômbia estarão na fronteira em defesa dos interesses latino-americanos. Stedile participa da Assembleia Internacional dos Povos (AIP), que acontece entre os dias 24 e 27 de fevereiro, em Caracas, e reúne delegações de 85 países. Neste domingo (24), Stedile também comparou o que está acontecendo na Venezuela com “uma batalha da importância da...

Na Venezuela, o dirigente nacional do Movimento dos Trabalhadores Sem Terra (MST) e articulador da Via Campesina Internacional, João Pedro Stedile, afirmou que os exércitos do Brasil e da Colômbia não vão fazer nada contra o país, porque não há motivo para isso. Disse ainda que os movimentos sociais do Brasil e da Colômbia estarão na fronteira em defesa dos interesses latino-americanos. Stedile participa da Assembleia Internacional dos Povos (AIP), que acontece entre os dias 24 e 27 de fevereiro, em Caracas, e reúne delegações de 85 países.

Neste domingo (24), Stedile também comparou o que está acontecendo na Venezuela com “uma batalha da importância da Guerra Civil Espanhola”. Na ocasião, de um lado estava a Frente Popular, que reunia setores de esquerda, e do outro, a Falange Espanhola Tradicionalista, de direita, liderada pelo general Francisco Franco para derrubar o presidente de centro-esquerda Manuel Azaña. O conflito durou de 1936 a 1939. “Precisamos vencer para poder avançar com a conquista de outros países para projetos populares”, disse.

O dirigente do MST denunciou a prisão política do ex-presidente Lula, detido desde o dia 7 de abril de 2018 em Curitiba. “Lula não está preso, Lula está sequestrado pelo capital internacional, que precisou tirá-lo do processo eleitoral brasileiro para apoderar-se do pré-sal.”

Veja também:  Rogério Correia lamenta suposto hackeamento de Joice Hasselmann: "Quantas maldades serão reveladas"

O editor da Fórum, Renato Rovai, participa do evento. Na terça (26), ele ministra uma palestra sobre comunicação e as mudanças no ecossistema informativo nos últimos anos com a internet. Neste domingo (24), como parte da abertura da Assembleia, será realizado um “show pela paz” na capital venezuelana, Caracas.

Você pode fazer o jornalismo da Fórum ser cada vez melhor

A Fórum nunca foi tão lida como atualmente. Ao mesmo tempo nunca publicou tanto conteúdo original e trabalhou com tantos colaboradores e colunistas. Ou seja, nossos recordes mensais de audiência são frutos de um enorme esforço para fazer um jornalismo posicionado a favor dos direitos, da democracia e dos movimentos sociais, mas que não seja panfletário e de baixa qualidade. Prezamos nossa credibilidade. Mesmo com todo esse sucesso não estamos satisfeitos.

Queremos melhorar nossa qualidade editorial e alcançar cada vez mais gente. Para isso precisamos de um número maior de sócios, que é a forma que encontramos para bancar parte do nosso projeto. Sócios já recebem uma newsletter exclusiva todas as manhãs e em julho terão uma área exclusiva.

Fique sócio e faça parte desta caminhada para que ela se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie a Fórum